O Brasil na imprensa alemã (25/09) | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 25.09.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

O Brasil na imprensa alemã (25/09)

Morte da menina Ágatha e protestos contra a violência policial no Rio, discurso de Bolsonaro na ONU e os danos da política presidencial à economia brasileira foram destaque na mídia da Alemanha.

Brasilien | Demonstration | Polizei erschiesst 8-Jährige in Favela in Rio (Getty Images/AFP/M. Pimentel)

Protestos contra violência policial no Rio de Janeiro foram destaque na Alemanha

Der Spiegel Protestos contra a violência policial (23/09)

Em resposta à morte de uma criança de oito anos, centenas protestaram contra a violência policial no Rio de Janeiro. Segundo a mídia brasileira, a menina estava com sua mãe dentro de uma caminhonete, numa favela, quando foi atingida por uma bala.

Segundo testemunhas oculares, um policial militar teria disparado o tiro mortal. O incidente ocorreu durante uma perseguição de criminosos, informou a polícia.

As forças de segurança brasileiras são conhecidas por proceder com dureza. Quando as unidades especiais fortemente armadas da polícia entram nos bairros pobres na luta contra as quadrilhas de traficantes, inocentes sempre são apanhados entre as frentes.

"Não houve tiroteio nenhum, foram dois disparos que ele deu", disse o motorista da kombi ao portal de notícias G1. "Falou que foi tiroteio de todos os lados. É mentira, é mentira!"

De acordo com o noticiário, ela foi a quinta criança a morrer neste ano no Rio como resultado da violência policial. No período de janeiro a agosto, 1.249 pessoas teriam sido mortas em operações policiais semelhantes na metrópole brasileira.

[...]

Críticos culpam o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, pela violência policial, por ele agir com mão pesada contra o crime nas favelas. Entre outras coisas, sugeriu que snipers atirassem de helicópteros em pessoas armadas nas favelas. Assim como o presidente de direita do Brasil, Jair Bolsonaro, Witzel apoia uma iniciativa legislativa impedindo que policiais sejam processados por matarem durante uma operação.

FAZA democracia do Brasil se protege (25/09)

O presidente Bolsonaro é criticado justamente, mas seus opositores na União Europeia (UE) pedem a sanção errada.

[...]

Quem queira sancionar o Brasil ou seu errático chefe de Estado deve fazê-lo com efeito imediato, mas não deve anular um acordo estratégico entre a Europa e a América do Sul, que não deverá entrar em vigor antes que Bolsonaro deixe o poder no Brasil. Por exemplo, a Finlândia está considerando suspender as importações de carne brasileira. Esse passo possivelmente não é compatível com as regras da Organização Mundial do Comércio (OMC), mas primeiro o Brasil teria que apresentar queixa. E o "Trump dos trópicos" Bolsonaro talvez aprenda a reconhecer a importância das instituições multilaterais.

[...]

Não apenas a agroindústria está ameaçada pelo furor de Bolsonaro. Toda a economia do Brasil sofre um imenso dano de reputação. Como resultado, 230 fundos globais de investimentos pediram em conjunto ao governo brasileiro que fortaleça a proteção das florestas tropicais: o desmatamento e seu impacto na biodiversidade e no clima representam um "risco sistêmico" para os investimentos dos fundos no Brasil.

As forças do mercado e a iniciativa privada, portanto, já fornecem medidas corretivas. Quanto mais integrado for o – até agora basicamente isolado – Brasil nas cadeias globais de valor agregado por meio do acordo UE-Mercosul, mais se garante que a economia brasileira se baseie nos padrões de seus clientes e parceiros europeus. Seria absurdo impedir esse desenvolvimento saudável, bloqueando um pacto que obriga explicitamente todos os signatários a cumprir o Acordo de Paris sobre mudanças climáticas e combater o desmatamento ilegal. Os ambientalistas no Brasil se veem fortalecidos pelo acordo.

[...]

Bolsonaro não é o Brasil. Nove estados da região amazônica se defendem contra o incendiário Bolsonaro. O perigoso populista de direita venceu a eleição em 2018, afinal, só porque os brasileiros estavam cansados do governo de esquerda marcado pela falta de êxito e pela corrupção, e porque os partidos majoritários do centro não conseguiram entrar em consenso sobre um candidato forte. Agora o Congresso mostra seu poder. Enquanto Bolsonaro concentra seu trabalho político em atividades impulsivas no Twitter, os líderes parlamentares tomaram a iniciativa e formaram maiorias para a aprovação da urgente reforma da Previdência.

As reformas do Brasil estão avançando apesar de – e não graças a – Bolsonaro. A democracia brasileira funciona e se protege.

Süddeutsche ZeitungUm sermão do nacionalismo para o mundo (25/09)

[...]

É tradição o primeiro discurso após o do secretário-geral [da ONU] ser feito pelo representante do Brasil, só depois vem o presidente americano. Neste ano, isso implicou o presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, se apresentar pouco antes de Trump, e foi impressionante quão parecidas, em parte, foram as falas desses dois homens. Também Bolsonaro falou muito de soberania. Acima de tudo, ele rejeitou qualquer interferência relativa às queimadas na região amazônica.

Ele afirmou não haver o menor motivo de preocupação a respeito, e que a região amazônica se encontra intocada, razão pela qual o Brasil seria um dos líderes em proteção climática. Incêndios florestas ocorrem com frequência na estação seca, disse o presidente. No entanto, a maioria dos observadores acredita que os incêndios foram provocados deliberadamente, a fim de abrir espaço para terras aráveis.

Bolsonaro usou seu discurso para um ajuste de contas com seus antecessores. Os "presidentes socialistas" que o antecederam teriam desviado centenas de bilhões de dólares, para comprar a mídia e parte do Congresso.

Também em suas críticas à mídia ele se parece com Trump. O presidente dos EUA voltou a lidar com a mídia nos últimos dias, chamando jornais como o New York Times e o Washington Post de "inimigos do povo". Também em seu discurso na ONU, Trump sugeriu que seria tratado injustamente pela mídia.

CA/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube
App | Instagram | Newsletter

Leia mais