O Brasil na imprensa alemã (16/06) | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 16.06.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

O Brasil na imprensa alemã (16/06)

Mídia da Alemanha destaca concessões forçadas do governo brasileiro à China e multas a Bolsonaro por participar de moto-carreatas sem máscara, assim como o papel de Neymar na campanha contra a Copa América no país.

Carreata de motocicletas encabeçada pelo presidente Jair Bolsonaro

Adversários políticos de Bolsonaro em SP e MA não perdoaram carreata de motocicletas sem máscara

Die Welt – E aí o anticomunista cedeu quietinho às exigências da China (10/06)

O Brasil tem dois problemas gigantescos. Um é a pandemia do coronavírus, que continua grassando sem parar: o país registra quase meio milhão de mortos de covid-19, e diariamente se acrescentam mais de 2 mil. Faltam vacinas, apenas menos de um terço dos brasileiros  recebeu até agora pelo menos uma dose (Alemanha: 47%), como noticiou a Folha.

O governo do presidente e minimizador do coronavírus Jair Bolsonaro esperou demais com a encomenda de doses no mercado internacional. Consultas da Biontech/Pfizer ficaram longo tempo sem resposta. O Brasil está trabalhando numa vacina própria, mas ainda deve demorar até a produção.

O segundo problema é a China, mais precisamente a vulnerabilidade a chantagens por Pequim. Bolsonaro acabou por recorrer à farmacêutica chinesa Sinovac, que produz o imunizante Coronavac, entre outros. Este, no entanto, não será disponibilizado sem o cumprimento de exigências políticas concretas. Assim, no futuro o Brasil deverá evitar criticar publicamente a China e desistir de sua resistência à participação da multinacional chinesa Huawei na construção da rede 5G no país.

Considerando os 210 milhões de habitantes do maior país latino-americano, para a China trata-se de um dos mais lucrativos entre todos os seus projetos de tecnologia na região. A presumível meta dessa estratégia é ter controle sobre Bolsonaro, um dos mais veementes críticos da China na América Latina, e ao mesmo tempo obter acesso estratégico a um dos mais importantes mercados de futuro.

[...]

Alguns documentos citados pelo jornal O Globo, dos quais dispõe a CPI para avaliação das medidas políticas na crise da covid-19, revelaram até que ponto a China tentou influenciar a política em Brasília. Eles provêm da embaixada brasileira em Pequim.

O assunto era um contrato que a Sinovac fechou com o conceituado Instituto Butantan, visando a fabricação no país do cobiçado imunizante Coronavac. Nas semanas anteriores, contudo, os chineses desrespeitaram o cronograma, os componentes necessários à produção não chegaram na quantidade desejada. Segundo diversas reportagens, faltava um quarto das entregas acordadas.

[...]

Pouco antes, Bolsonaro criticara publicamente a China: ele não sabia se o novo vírus se originara num laboratório ou se vinha de um animal, mas havia uma nova guerra, travada no campo químico, bacteriológico e radiológico, e que tinha um vencedor. "Qual país que mais cresceu seu PIB? Não vou dizer para vocês”, insinuou, sem mencionar a China. De qualquer modo, todos já sabiam a quem ele se referia.

Aparentemente, as declarações de Bolsonaro chegaram aos ouvidos de Pequim. O que ocorreu então, só pode ser interpretado como um claro tiro de advertência dos chineses. Pois pouco mais tarde o Instituto Butantan declarava que obstáculos burocráticos, políticos e diplomáticos estavam atrasando as entregas da China, urgentemente necessárias para o estabelecimento da produção da Sinovac no Brasil.

A conclusão das atas da embaixada: "Os perdedores são os brasileiros, que esperam ansiosamente pelas vacinas." E a vencedora de longo prazo, na luta global pelo poder, é a China.

Neue Presse – Sem máscara, de moto: nova multa para Bolsonaro (13/06)

O presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, voltou a ser punido com uma multa pelo governo estadual de um adversário político, por participar sem máscara de um evento.

Também contra Eduardo Bolsonaro, deputado e filho do presidente, e o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes, foram impostas multas de R$ 552,71, cada um, como noticiou no sábado o jornal Folha de S. Paulo. Segundo este, os três não usavam máscaras durante uma carreata de motocicletas na metrópole São Paulo, infringindo assim as normas sanitárias do estado.

O governador de São Paulo, João Doria, é um dos concorrentes do presidente e seu possível adversário nas eleições de 2022. Num discurso no Parque Ibirapuera, Bolsonaro, que desde o início minimizou o coronavírus, voltou a se pronunciar contra o uso de máscaras e as medidas de isolamento social.

Há apenas três semanas, Bolsonaro havia participado sem proteção naso-bucal de uma moto-carreata na metrópole do Rio de Janeiro e feito um discurso para seus simpatizantes. Dois dias antes, o governo do estado do Maranhão impusera uma multa ao populista de direita, por provocar uma aglomeração de seus adeptos na localidade de Açailândia e deixar de usar máscara, contra as leis vigentes. O governador maranhense, Flávio Dino, é filiado ao Partido Comunista do Brasil.

Frankfurter Allgemeine Zeitung – Neymar e o caos em torno da Copa no Brasil (11/06)

É grande a crítica contra a transferência da Copa América para o foco do novo coronavírus Brasil. Agora um tribunal decidiu: o torneio pode se realizar. Paralelamente, volta a haver celeuma em torno de Neymar.

No 2 a 0 contra o Paraguai, Neymar foi o herói do jogo, mas também fora do campo o superastro do futebol voltou a assumir um papel de liderança. Ao lado do capitão da Seleção Nacional Casemiro e de Marquinhos, segundo a Folha de S. Paulo, o craque de 29 anos seria uma das cabeças por trás do apelo contra a Copa América no Brasil.

Apesar de criticar, eles também confirmaram sua participação. "Nós somos contra a organização da Copa América, mas não vamos nunca dizer 'não' à Seleção Nacional brasileira", consta do apelo. De início, no entanto, não estava nem de longe garantido que o torneio sequer poderia se realizar no Brasil.

Neymar lidera o quadro da Seleção na Copa América, indicado pelo técnico nacional Tite, na noite de quarta-feira. Ele se compõe basicamente dos protagonistas em torno do Número Dez do país, também indicados para as partidas de classificação da Copa do Mundo, contra o Equador e o Paraguai.

Contudo, o Partido Socialista Brasileiro e um sindicato de metalúrgicos haviam apresentado ações ao Supremo Tribunal Federal para que o torneio fosse cancelado. Eles argumentam que o Brasil não deve organizar eventos esportivos internacionais enquanto forem exigidas medidas de distanciamento social devido à pandemia de covid-19. Essa foi a virada mais recente em cerca de duas semanas turbulentas para a Seleção e o astro Neymar.

Mal ele chegara ao centro de treinamento em Teresópolis, o Wall Street Journal noticiou que a Nike dissolvera a parceria com Neymar no ano passado, após graves imputações contra ao brasileiro. Ele é acusado de não cooperar numa investigação, coisa que qualificou como "mentira absoluta".

Segundo a empresa, uma funcionária sua o denunciara por abuso sexual. Neymar rechaça as acusações, como comunicou sua porta-voz, atendendo a uma consulta da agência de notícias DPA: a cooperação com a Nike teria sido suspensa por razões comerciais.

Leia mais