O Brasil na imprensa alemã (09/09) | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 09.09.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

O Brasil na imprensa alemã (09/09)

Jornal alemão traça perfil de Felipe Neto e destaca seu ativismo contra Bolsonaro. Queimadas na Amazônia e fala do presidente contra ONGs também foram destaques.

O presidente Jair Bolsonaro: para jornal alemão, seu maior rival está no Youtube

O presidente Jair Bolsonaro: para jornal alemão, seu maior rival está no Youtube

Frankfurter Allgemeine Zeitung (FAZ) – Youtuber contra Bolsonaro (06/09)

Felipe Neto não só se tornou rico e famoso ao longo dos anos, como também amadureceu. Seus cabelos recuperaram sua cor natural, seu tom mudou. Ele não tem medo de mudar de ideia e admitir erros do passado. Embora continue a dedicar seu canal a conteúdos voltados principalmente para um público jovem, (...) ele cada vez mais está usando sua influência para se expressar sobre questões políticas e sociais, principalmente no Twitter.

Bolsonaro provavelmente já percebeu que seu oponente político mais duro não se encontra atualmente no Congresso ou em um partido, mas no Youtube e no Twitter – justamente no terreno que o presidente e seus estrategistas de comunicação acreditavam ter sob sua influência.

Felipe Neto se tornou o alvo da "milícia digital" de Bolsonaro. Era uma questão de tempo até que uma campanha de difamação fosse lançada contra ele. (...) As principais associações de advogados do país e outras instituições se solidarizaram com Neto. O telejornal mais importante lhe deu espaço para corrigir as coisas.

Nada disso impediu que fanáticos aparecessem em sua casa pouco tempo depois e o ameaçassem. Ele já havia recebido ameaças de morte antes. Sua mãe já está morando no exterior por causa disso.

Não é o único preço que Neto paga por suas opiniões políticas. O jovem empresário perdeu vários patrocinadores e muitos seguidores nos últimos meses. Mas ele não tem escolha, afirma. Não se trata de política, de um lado ou de outro, mas de liberdade. "Em algum momento, vamos olhar para trás e ver que valeu a pena", disse.

Neues Deutschland – Pantanal em chamas (07/09)

Neste ano o Pantanal está ardendo mais intensamente do que nunca. O mar de chamas já destruiu vários milhares de quilômetros quadrados da maior área úmida continental do planeta. Os bombeiros e as Forças Armadas lutam contra os incêndios em vão. A área com o status de Patrimônio Natural Mundial da Unesco, que requer proteção especial, está ameaçada pela maior tragédia ambiental de sua história.

De 1 de janeiro a 31 de agosto deste ano, o Inpe, instituto de pesquisa espacial responsável pelo monitoramento ambiental por satélite no Brasil, contou 10.316 incêndios no Pantanal, três vezes mais do que no ano anterior. Desde que o monitoramento via satélite começou, em 1998, o Inpe nunca havia registrado tantos incêndios nesta região durante os primeiros oito meses do ano.

Especialistas supõem que, como nos anos anteriores, a maioria dos incêndios foi iniciada de forma deliberada, para dar lugar a pastagens de gado e plantações de soja.

Die Zeit – Bolsonaro chama ONGs ambientais de câncer (05/09)

O presidente brasileiro de extrema direita Jair Bolsonaro classificou as organizações de proteção ambiental como um "câncer" que ele gostaria de erradicar. "Não consigo matar esse câncer em grande parte chamado ONG que tem na Amazônia", disse Bolsonaro em sua transmissão semanal no Facebook.

A raiva do presidente foi provocada em particular pela campanha Defundbolsonaro.org, que um grupo ambientalista havia lançado.

Recentemente, Bolsonaro já havia chamado de mentira os relatos de incêndios na Amazônia, alegando que a floresta tropical não pode pegar fogo. Imagens de satélite do instituto nacional de pesquisa Inpe, por outro lado, revelaram mais de 29 mil incêndios na Amazônia em agosto - o segundo maior número em dez anos.

Segundo especialistas, os incêndios geralmente não têm origem natural, mas sim são iniciados por pessoas que querem explorar ilegalmente terras para a agricultura e a pecuária.

Bolsonaro já havia anunciado durante a campanha eleitoral que queria desenvolver a região amazônica de forma mais econômica. Os protestos internacionais não intimidaram o presidente: ele abriu repetidamente áreas protegidas para a agricultura e mineração.

RPR/ots

Leia mais