Nurembergue proíbe discurso de líder da AfD em comício | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 04.09.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Nurembergue proíbe discurso de líder da AfD em comício

Prefeitura afirma que fala de Gauland põe em risco imagem da cidade como reduto da paz e do respeito aos direitos humanos. Ele foi acusado de racismo em comentário sobre encarregada de integração do governo federal.

Alexander Gauland, da AfD

Alexander Gauland é um dos rostos mais conhecidos da AfD

A prefeitura de Nurembergue proibiu nesta segunda-feira (04/09) o discurso do líder do partido populista de direita Alternativa para a Alemanha (AfD) Alexander Gauland num evento eleitoral da legenda na cidade, marcado para o próximo sábado.

Para liberar o uso do pavilhão municipal onde ocorrerá o evento, a prefeitura exigiu da AfD uma garantia por escrito d que Gauland não discursará no local. O partido tem até o meio-dia desta terça-feira para entregar a declaração.

Leia a cobertura completa sobre a eleição na Alemanha em 2017 

Segundo a secretária do governo local, Christine Schüssler, a decisão foi tomada devido à declaração de Gauland sobre a encarregada de integração do governo federal, Aydan Özoguz. Durante um evento de campanha em Eichsfeld, na Turíngia, o líder populista disse que Özoguz, que nasceu na Alemanha e é filha de imigrantes turcos, deveria ser "descartada na Anatólia"devido aos seus comentários sobre a cultura alemã. A declaração foi criticada por todos os outros partidos.

Schüssler argumentou que o contrato de aluguel do pavilhão prevê rescisão em caso de risco à ordem pública ou de prejuízo à imagem da cidade. A prefeitura de Nurembergue afirmou que um discurso de Gauland coloca em risco a imagem da cidade como reduto da paz e do respeito aos direitos humanos.

Gauland não quis comentar a proibição e disse que o escritório regional do partido deverá decidir o que fazer. Já o líder da AfD em Nurembergue, Martin Sichert, acusou o governo local de prejudicar a democracia e disse que apresentou queixa à Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE).

Ex-membro da União Democrata Cristã (CDU), partido da chanceler Angela Merkel, Gauland, de 76 anos, é um dos rostos mais conhecidos da AfD e já foi acusado outras vezes de fazer comentários racistas. Numa das declarações, o alvo do populista foi o zagueiro Jerome Boateng. Gauland declarou que "as pessoas o acham um bom jogador de futebol, mas não querem um Boateng como vizinho".

CN/rtr/dpa/ard

Leia mais

Links externos