Nobel de Física premia pesquisa sobre buracos negros | Novidades da ciência para melhorar a qualidade de vida | DW | 06.10.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Ciência

Nobel de Física premia pesquisa sobre buracos negros

Trio de cientistas abriu "novos terrenos para o estudo de objetos compactos e supermassivos", diz academia sueca. Agraciados são britânico Roger Penrose, alemão Reinhard Genzel e americana Andrea Ghez.

Nobel de Física 2020 vai para britânico Roger Penrose, alemão Reinhard Genzel e americana Andrea Ghez

Nobel de Física 2020 vai para britânico Roger Penrose, alemão Reinhard Genzel e americana Andrea Ghez

O Nobel de Física de 2020 premiou três cientistas cujas pesquisas resultaram na descoberta de como se formam os buracos negros no universo, comunicou nesta terça-feira (06/10) a Academia Real de Ciências da Suécia, em Estocolmo. Os agraciados são o britânico Roger Penrose, o alemão Reinhard Genzel e a americana Andrea Ghez.

A premiação celebra "um dos mais exóticos objetos no universo", ou seja, os buracos negros, "onde o tempo parece estar suspenso", disseram os membros do comitê.

Os escolhidos recebem uma medalha de ouro e uma premiação de 10 milhões de coroas suecas (em torno de R$ 6,2 milhões). Metade do prêmio vai para Penrose, por demonstrar através da matemática que a formação dos buracos negros é possível, com base na teoria da relatividade elaborada por Albert Einstein.

A outra metade será dividida entre Genzel e Ghez por descobrirem que "um objeto invisível e extremamente pesado governa a órbita das estrelas no centro de nossa galáxia", explicaram os membros da Academia. Ghez é a quarta mulher a receber o Nobel de Física.

O secretário-geral da academia sueca, Goran K. Hansson, disse que o alemão e a americana foram escolhidos para a premiação "pela descoberta de um objeto compacto e supermassivo no centro de nossa galáxia".

"As descobertas dos laureados deste ano abriram novos terrenos para o estudo de objetos compactos e supermassivos", disse o presidente do Comitê do Nobel de Física, David Haviland.

No ano passado, o Nobel de Física foi para outro trio de cientistas, que contribuiu para ampliar a compreensão da evolução do universo e do lugar da Terra no cosmos. Os vencedores foram o canadense James Peebles, pelo desenvolvimento teórico da cosmologia física, e os suíços Michael Mayor e Didier Queloz, pela primeira descoberta de um planeta fora do Sistema Solar, ou exoplaneta.

Nesta segunda-feira foi anunciado o Nobel de Medicina, que premiou um trio de cientistas Harvey Alter, Charles Rice e Michael Houghton  pela descoberta do vírus da hepatite C. Nos próximos dias, serão anunciados os prêmios de Química, de Literatura e de Economia, além do Prêmio Nobel da Paz. 

RC/ap/dpa/afp/rtr

Leia mais