No Congresso, Biden promete empregos e ajuda às famílias | Notícias internacionais e análises | DW | 29.04.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Estados Unidos

No Congresso, Biden promete empregos e ajuda às famílias

Em discurso, presidente apresenta seus planos trilionários para geração de empregos e acesso à educação e assistência social, defende vacinação e diz que "os Estados Unidos estão se movendo de novo".

Joe Biden, Kamala Harris e Nancy Pelosi no discurso ao Congresso do presidente

Momento histórico: Biden em frente à duas mulheres, a vice Kamala Harris e Nancy Pelosi

Na véspera de completar 100 dias de governo, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, prometeu investimentos e defendeu a vacinação contra a covid-19 em seu primeiro discurso numa sessão conjunta do Congresso, nesta quarta-feira (27/04).

O discurso foi marcado por um momento histórico: pela primeira vez um presidente dos Estados Unidos falou em frente a duas mulheres, a vice Kamala Harris e a presidente da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi.

Biden apresentou seus planos de investimentos em geração de emprego, educação e assistência social e afirmou que "os Estados Unidos estão se movendo de novo".

"Depois de apenas 100 dias, posso dizer à nação: os EUA estão se movendo de novo, transformando perigo em possibilidade, crise em oportunidade, revés em força", afirmou no plenário da Câmara, com a presença física de poucos legisladores, que cumpriam as regras de distanciamento social.

O presidente disse que herdou uma nação em crise, com a pior pandemia do século, a pior crise econômica desde a Grande Depressão e o "pior ataque à nossa democracia desde a Guerra Civil", numa referência à invasão do Capitólio.

Biden apresentou um plano de 1,8 trilhão de dólares voltado às famílias, para investimentos em educação, com foco na pré-escola e na assistência a crianças, entre outros pontos, e um plano de investimentos em infraestrutura para geração de emprego de 2,3 trilhões de dólares.

Combate à pandemia

Ao lembrar que herdou o combate à covid-19 quando iniciou o mandato, em 20 de janeiro, Biden disse que a campanha de vacinação é um dos maiores sucessos logísticos na história do país. Ele lembrou que havia prometido 100 milhões de doses de vacinas aplicadas em 100 dias e destacou que acabaram sendo 220 milhões.

"Mais da metade dos adultos receberam pelo menos uma dose", disse Biden, acrescentando que as mortes de idosos recuaram 80% desde janeiro. O presidente lembrou que todos os adultos com mais de 16 anos já podem se vacinar. "Então vá já tomar a vacina!", afirmou.

Impostos para os ricos

O discurso foi também marcado pela defesa da classe média, com propostas econômicas para ajudar os mais afetados pela crise sanitária e aumentar os impostos dos mais ricos. "É tempo de as empresas americanas e de os 1% mais ricos começarem a pagar a sua parte", afirmou.

"Wall Street não construiu este país. A classe média construiu este país, e os sindicatos construíram a classe média", disse Biden. "Vinte milhões de americanos perderam o emprego durante a pandemia", recordou, destacando que, "ao mesmo tempo, cerca de 650 bilionários viram a sua riqueza aumentar mais de 1 trilhão de dólares".

Promessa de empregos

Biden afirmou que os Estados Unidos vão crescer este ano ao maior ritmo em quatro décadas e prometeu mais empregos.

O democrata acrescentou que, durante os primeiros cem dias do mandato, foram criados mais de 1,3 milhão de postos de trabalho, "mais do que qualquer presidente" no mesmo período, e defendeu o seu programa de criação de emprego, apresentado no início do mês, que representa um investimento de 2,3 trilhões de dólares em infraestruturas. "É o maior plano de criação de emprego desde a Segunda Guerra Mundial", afirmou. 

Ele também argumentou que as mudanças climáticas são uma oportunidade. "Quando eu penso em mudanças climáticas em penso em empregos. Não há nenhuma razão para que os trabalhadores americanos não possam liderar no mundo na produção de veículos e baterias elétricas."

Racismo

A morte do afro-americano George Floyd por um policial branco também foi lembrada por Biden. Ele apelou ao Congresso para que haja avanços contra o racismo e a violência policial. "Todos nós vimos o joelho da injustiça no pescoço da América negra", afirmou.

O presidente disse que chegou a hora de avançar na questão e pediu ao Congresso que lhe envie um projeto de reforma da polícia com o nome de Floyd até o aniversário da morte, em 25 de maio.

as/lf (Lusa, AP)

Leia mais