Netanyahu teria se reunido secretamente com príncipe saudita | Notícias internacionais e análises | DW | 23.11.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Netanyahu teria se reunido secretamente com príncipe saudita

Relatos afirmam que primeiro-ministro, príncipe Mohammed bin Salman e secretário americano Mike Pompeo se encontraram na Arábia Saudita, apontando possível acordo de normalização dos laços. Riad nega reunião trilateral.

Montagem de fotos mostra o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, e o príncipe herdeiro saudita Mohammed bin Salman

Relatos alimentam especulações de que Israel pode estar no caminho de normalizar os laços com a maior potência do Golfo

A imprensa de Israel e fontes do governo israelense disseram nesta segunda-feira (23/11) que o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu viajou secretamente para a Arábia Saudita e se reuniu com autoridades sauditas e americanas no país, embora Riad negue o encontro.

Os relatos alimentam especulações de que o Estado judaico pode estar no caminho de normalizar os laços com a maior potência do Golfo, após seus recentes acordos históricos com os Emirados Árabes Unidos e o Bahrein, ambos mediados pelos Estados Unidos.

A viagem de Netanyahu seria a primeira visita pública de um líder israelense à Arábia Saudita, enquanto os países cerram fileiras contra o Irã.

A emissora pública israelense Kan e outros veículos da imprensa local afirmaram que Netanyahu e Yossi Cohen, chefe da Mossad, o serviço secreto de Israel, se encontraram no domingo com o príncipe herdeiro Mohammed bin Salman e com o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, na cidade de Neom, perto do Mar Vermelho.

Uma fonte anônima do governo israelense confirmou os relatos à agência de notícias AFP. Já o ministro da Educação do país, Yoav Galant, mencionou o encontro em entrevista a uma emissora de rádio. "O fato de a reunião ter acontecido e ter sido divulgada publicamente, mesmo que de forma parcialmente oficial, é de grande importância", disse o ministro israelense.

Já Netanyahu, questionado sobre o assunto durante uma reunião pública de seu partido, o Likud, nesta segunda-feira, afirmou: "Eu nunca comentei sobre essas coisas e eu não pretendo começar agora. Direi apenas que estou trabalhando para ampliar o círculo da paz."

Por sua vez, o ministro do Exterior saudita, Faisal bin Farhan, negou veementemente qualquer informação de que Riad estaria se afastando de sua postura de décadas de recusar o diálogo com Israel até que o conflito israelo-palestino esteja resolvido.

"Tenho visto relatos na imprensa sobre um suposto encontro entre Sua Alteza Real, o príncipe herdeiro, e autoridades israelenses durante a recente visita do secretário Pompeo", escreveu o ministro saudita no Twitter. "Essa reunião não aconteceu. As únicas autoridades presentes eram americanas e sauditas."

Pompeo confirmou que esteve em Neom com o príncipe saudita, como parte de uma visita do americano pelo Oriente Médio, mas não mencionou a presença de Netanyahu. "Visita construtiva com o príncipe herdeiro Mohammed bin Salman em Neom", disse o secretário de Estado dos EUA. O Departamento de Estado americano se negou a confirmar uma reunião trilateral.

O site de rastreamento de voos FlightRadar24.com mostrou que um jato particular Gulfstream IV partiu de Tel Aviv na noite de domingo e voou para o sul, ao longo da extremidade leste da Península do Sinai, antes de virar em direção a Neom, onde aterrissou.

A aeronave voltou a levantar voo cerca de três horas depois, deixando a cidade saudita e seguindo a mesma rota de volta a Tel Aviv, segundo os dados do site.

O secretário de Estado dos EUA viajou com uma equipe de jornalistas americanos durante sua visita ao Oriente Médio, mas os deixou no aeroporto de Neom quando foi se encontrar com o príncipe herdeiro.

David Khalfa, pesquisador do Centro para Comunicações de Paz, em Nova York, disse à DW que o encontro, se confirmado, aponta que "outro passo espetacular foi dado na direção da normalização árabe-israelense".

Para Khalfa, as negociações foram uma tentativa clara "de coordenar a estratégia israelense-saudita em face dos objetivos hegemônicos do Irã, em meio à perspectiva de um novo governo dos EUA que planeja retornar ao acordo nuclear [iraniano]".

O governo do presidente Donald Trump ajudou a negociar recentes acordos de paz entre Israel e os Emirados Árabes Unidos e o Bahrein, vizinhos da Arábia Saudita. A normalização dos laços tem sido amplamente baseada em preocupações comuns desses países em relação ao inimigo comum Teerã.

Enquanto Trump se prepara para deixar o cargo em menos de dois meses, há especulações de que Washington pode pressionar outros Estados árabes a aderirem a acordos semelhantes antes que o presidente eleito, o democrata Joe Biden, tome posse no comando da Casa Branca.

Israel tem saudado os pactos mediados pelos EUA como acordos diplomáticos históricos, enquanto os palestinos condenam tais negociações e pedem que os países árabes se mantenham firmes em suas posições até que o governo israelense desocupe territórios palestinos e concorde com a criação de seu almejado Estado.

EK/afp/ap/rtr/efe

Leia mais