Nem todos os clubes da Bundesliga veem vantagens em estatística de jogos | Leia as principais notícias sobre o futebol internacional | DW | 18.10.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Futebol

Nem todos os clubes da Bundesliga veem vantagens em estatística de jogos

Liga Alemã de Futebol fornece gratuitamente aos clubes os dados estatísticos das equipes durante as partidas. Alguns clubes, no entanto, continuam céticos quanto às vantagens do sistema.

default

A estatística ajuda nas decisões táticas

Todos os movimentos de um jogo da Bundesliga são registrados. Câmeras especiais dispostas nos estádios auxiliam na coleta de dados. Agora é possível medir não apenas disputas e posse de bola, distância e velocidade dos chutes, mas também as distâncias percorridas e a velocidade de cada um dos jogadores. E isso durante toda a partida.

"A comissão técnica pode acessar os dados no intervalo ou imediatamente após o jogo", explica Jürgen Buschmann, da Escola Superior de Educação Física de Colônia. Segundo o professor, isso é importante pelo fato dos treinadores serem constantemente pressionados a dar informações – inclusive pela mídia. Com a ajuda dos dados, relativamente objetivos, eles teriam a possibilidade de argumentar e mostrar o desempenho da equipe.

Porém, os dados precisam ser interpretados corretamente. Nem sempre números expressam tudo com precisão – como a taxa de passes errados, por exemplo. "Dou um passe, meu colega está um pouco desatento nesse momento e o adversário pega a bola", diz Buschmann. Segundo o especialista, quem lançou a bola ganharia injustamente, nesse caso, um ponto negativo. "Com dados quantitativos, não se podem fazer afirmações qualitativas desse tipo", considera.

Também as disputas de bola são controversas, porque a bola raramente cai exatamente no meio de dois jogadores e, com isso, geralmente um deles leva vantagem. No entanto, é possível extrair aspectos importantes para o setor tático a partir das estatísticas – como a velocidade da bola e as trajetórias típicas do adversário.

Nem todo treinador é fã de números

Até agora, os clubes pagavam um preço alto por esses dados. A partir desta temporada, eles recebem o material sem custo algum, fornecido pela firma Impire, que venceu a concorrência aberta pela Liga Alemã de Futebol (DFL, na sigla em alemão). Assim, os clubes economizam milhões de euros.

Para uma equipe como o Augsburg, por exemplo, que ascendeu nesta temporada para a Primeira Divisão, isso representa uma grande oportunidade. Mesmo assim, o diretor esportivo Andreas Rettig permanece cético. "Em primeiro lugar, nosso treinador é alguém que vive e trabalha de maneira mais prática." Rettig reconhece que a análise de dados moderna pode ajudar. "Mas não podemos cometer o erro de enxergar os dados como a solução para todos os problemas."

O diretor lança um olhar crítico também sobre as mais modernas possibilidades do livetracking. Ele teme que os dados sobre quanto e em que velocidade um jogador correu sejam mal interpretados. "Há diversos exemplos de que, no final, a mera disponibilização de dados também pode apontar na direção errada."

Realtaktische Aufstellung FC Bayern und SC Freiburg FLASH-GALERIE

Formação tática real (média das posições de cada jogador) na vitória do Bayern sobre o Freiburg por 7 a 0

Resistência alemã

Justamente por esse motivo, o trabalho deveria ser feito em parceria com universidades, diz Buschmann. O especialista analisa partidas de futebol para a seleção alemã desde os tempos do ex-treinador Jürgen Klinsmann.

Enquanto os clubes da primeira divisão do futebol inglês possuem modernos departamentos de análise de dados, na Bundesliga alemã, as novidades enfrentam resistência. Às vezes, os treinadores dispensam qualquer tipo de dados.

Buschmann afirma que, no futebol moderno, todo time profissional deveria ter uma equipe de analistas. "Deve haver alguém que se preocupe com a preparação e alguém com o pós-jogo. E mais uma pessoa com know-how técnico, que construa e administre um banco de dados."

Esses especialistas devem trabalhar em conjunto com o treinador e se ocupar da enxurrada de dados, que pode chegar a 100 páginas de material."Quando a comissão técnica pedir, essas pessoas precisam estar prontas para lidar com os dados. Precisam ser especialistas. Isso não é uma tarefa do treinador."

Assim, é possível analisar como o atacante do próximo adversário costuma marcar gols, como o meio-campista passa a bola e como a defesa se comporta sob pressão. Os dados permitem verificar a distância entre os jogadores e entre as partes da equipe, ou seja, como os jogadores mudam de posição em campo.

Com o auxílio de um banco de dados, pode-se ainda encaixar os jogadores nas posições vagas, de acordo com a vontade do técnico e com o perfil solicitado. E também a própria equipe é desmascarada. Desculpas dados no intervalo – como "mas eu corri" – podem ser imediatamente verificadas.

Quanto mais científico se torna o futebol, maior será a equipe a trabalhar em um clube. Por isso, os profissionais do futuro devem ser especificamente treinados. A partir do ano que vem, a Escola Superior de Educação Física oferecerá um programa de mestrado na área.

Autora: Olivia Fritz (lpf)
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais