Navalny relata lenta recuperação após envenenamento | Notícias internacionais e análises | DW | 19.09.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Navalny relata lenta recuperação após envenenamento

Oposicionista russo internado em hospital de Berlim divulga foto caminhando e diz que recupera gradualmente suas forças após estar apenas "tecnicamente vivo" durante semanas. Moscou volta a negar envolvimento no caso.

Oposicionista russo Navalny divulga foto caminhando em hospital alemão onde se recupera de envenenamento

Oposicionista russo Navalny divulga foto caminhando em hospital alemão onde se recupera de envenenamento

O oposicionista russo Alexei Navalny divulgou neste sábado (19/09) uma imagem em seu perfil no Instagram onde aparece caminhando nas escadarias do hospital em Berlim, no qual está internado há quase um mês após ter sido envenenado em seu país.

No texto que acompanha a imagem, ele agradece a equipe médica do Hospital Universitário Charité, na capital alemã. "Vocês me transformaram de uma pessoa 'tecnicamente viva' em alguém que tem todas as chances de se tornar novamente uma forma de vida altiva na sociedade moderna", além de estar apto a "deslizar os dedos pelo Instagram e dar curtidas sem pensar", disse Navalny.

"Agora, sou uma dessas pessoas cujas pernas tremem enquanto caminha pelas escadas", afirmou ao comentar sobre a fotografia em que aparece se apoiando em um corrimão, usando luvas cirúrgicas.

Ele conta que, até recentemente, não conseguia reconhecer as pessoas e tampouco se expressar através da fala. "Isso me levou ao desespero, porque eu basicamente entendia o que o médico queria, mas não sabia de onde tirar as palavras", relatou.

O agente nervoso Novichok, que, segundo análises, foi utilizado para envenenar o oposicionista, interrompe a comunicação entre o cérebro e os principais órgãos e músculos, enquanto é gradualmente eliminado pelo organismo, afirmam os médicos.

O ativista observou que ainda tem um longo caminho a percorrer em sua recuperação, além de muitos problemas a resolver. Segundo escreveu, o telefone pesa como uma pedra em suas mãos. "Me servir de água é um verdadeiro show", disse. O tom sarcástico utilizado na mensagem é uma característica do oposicionista russo de 44 anos.

Navalny é considerado um dos maiores críticos do presidente da Rússia, Vladimir Putin. O ativista está em tratamento em Berlim desde 22 de agosto. Ele chegou à capital alemã dois dias após dar entrada num hospital em Omsk, na Sibéria, depois de passar mal durante um voo doméstico na Rússia em 20 de agosto.

Análises toxicológicas realizadas num laboratório militar alemão constataram que ele foi envenenado com um agente nervoso do grupo Novichok, a mesma classe de agente da era soviética que o Reino Unido afirma ter sido usado no envenenamento do ex-espião russo Serguei Skripal e sua filha em Salisbury, em 2018.

Na segunda-feira, o governo alemão disse que testes independentes feitos por laboratórios na França e na Suécia confirmaram a análise toxicológica realizada na Alemanha. O governo russo nega envolvimento no caso e solicitou evidências de Berlim para o envenenamento.

O Kremlin também rejeitou as acusações feitas pelos apoiadores de Navalny na Rússia, de que ele teria sido envenenado em um hotel na cidade de Tomsk, na Sibéria. Segundo os ativistas, análises em uma garrafa de água coletada em um hotel teriam sido analisadas por um laboratório militar alemão, que encontrou rastros do agente Novichok.

O governo russo culpa os apoiadores de Navalny de comprometerem as investigações oficiais sobre o caso com a remoção das evidências. "O que poderia ser prova de envenenamento foi, infelizmente, removido", disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov.

A Alemanha e vários governos ocidentais cobram explicações da Rússia sobre como o oposicionista teria sido envenenado. A equipe de Navalny afirmou que, depois de recuperado, ele planeja retorna ao seu país.

RC/afp/dpa/rtr

Leia mais