Nacionalistas avançam em eleição na Irlanda do Norte | Notícias internacionais e análises | DW | 04.03.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Nacionalistas avançam em eleição na Irlanda do Norte

Resultado acirrado ameaça equilíbrio de poder entre nacionalistas, principal voz dos católicos, e unionistas, tradicionalmente apoiados por protestantes. Partidos têm três semanas para formar governo.

Prédio do Parlamento da Irlanda do Norte, em Belfast

Unionistas, pró-Reino Unido, detêm a maioria parlamentar desde 1921

Na eleição parlamentar mais acirrada da Irlanda do Norte, o partido nacionalista Sinn Féin ficou a apenas um assento de conseguir a maioria na Assembleia do país (Parlamento), segundo resultados divulgados na madrugada deste sábado (04/03). 

A legenda, a principal voz dos católicos, ficou com 27 dos 90 assentos, e o Partido Democrático Unionista (DUP), tradicionalmente apoiado por protestantes, com 28.

O DUP obteve 28,1% dos votos, um ponto percentual a menos que no ano passado, e o Sinn Féin, com 27,9%, quatro pontos a mais que no pleito anterior. Trata-se da menor diferença entre os dois partidos na história eleitoral do país. Os unionistas, pró-Reino Unido, detêm a maioria parlamentar desde que a Irlanda foi declarada uma entidade política autônoma, em 1921.

"Hoje é um grande dia para a igualdade, para a democracia", declarou Michelle O'Neill, líder do Sinn Féin, antigo braço político do hoje inativo Exército Republicano Irlandês (IRA). O grupo paramilitar católico defendia a separação da Irlanda do Norte do Reino Unido.

A eleição antecipada foi a segunda em apenas 11 meses. A participação da população nas urnas aumentou 10% em relação a 2016, para 64,8% – o índice mais alto desde o Acordo de Belfast, também conhecido como Acordo da Sexta-feira Santa, que deu fim a quatro décadas de conflito ao sangrento conflito entre nacionalistas e unionistas, em 1998.

Diferenças políticas

Grandes diferenças políticas entre o Sinn Féin e o DUP ameaçam agora paralisar o governo e dividir o país, num momento em que o Reino Unido se prepara para o Brexit – a saída da União Europeia (UE). A Irlanda do Norte, a região mais pobre do Reino Unido, é apontada como a mais vulnerável economicamente às consequências do Brexit.

Assim como a Escócia, a Irlanda do Norte votou a favor da permanência na UE, enquanto os dois outros países do Reino Unido, Inglaterra e País de Gales, decidiram a vitória do Brexit. O então majoritário DUP apoiou a saída do bloco europeu, e o Sinn Féin se opôs.

O DUP teme agora que, com seu avanço no Parlamento, o Sinn Féin redobre seus esforços para convocar um referendo sobre a reunificação da Irlanda do Norte com a Irlanda, seu objetivo histórico.

Os dois maiores partidos do país têm agora três semanas para formar um governo, mas analistas preveem duras negociações, e poucos acreditam que isso será possível dentro do prazo. Se um acordo não for alcançado, o Executivo britânico poderia convocar novas eleições ou até suspender a autonomia e administrar a região diretamente de Londres.

LPF/efe/rtr/ap

Leia mais