Na praça May Ayim | Colunas semanais da DW Brasil | DW | 20.03.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Coluna Bibliothek

Na praça May Ayim

Ato em Berlim em memória de Marielle Franco e outras vítimas da violência contra cidadãos negros ocorreu em praça que traz nome importante da cultura negra alemã, a poeta May Ayim (1960-1996).

Deutschland - Gedenken an Marielle Franco in Berlin (DW/C. Neher)

Ato em homenagem a Marielle Franco em Berlim

Como noticiado na DW Brasil, no último sábado (17/03) foi realizado aqui em Berlim um ato em memória de Marielle Franco, vereadora do Psol no Rio de Janeiro que foi assassinada junto com o motorista Anderson Gomes no centro da cidade no dia 14 de março.

Outras vítimas da violência policial no Rio de Janeiro foram lembradas, como Claudia Silva Ferreira e Amarildo de Souza. Era um dia bastante frio na capital alemã quando cheguei à rua May Ayim (May-Ayim-Ufer) naquela tarde, ao logo da margem do rio Spree.

Grupos de brasileiros e estrangeiros começaram a reunir-se pouco a pouco, quando houve falas em microfone aberto, a exibição de um discurso de Marielle e algumas canções, como Gameleira Branca, de Paulo César Pinheiro.

Esse momento, quando muitos começaram a cantar juntos, foi um dos que me emocionaram durante o ato, com aqueles versos: "Pra quem tem licença a porteira do mundo nunca tranca / Pra quem tem a bença do dono da gameleira branca", numa referência à planta associada no Brasil aos orixás Iroco e Xangô no Candomblé.

Foi triste pensar em Iroco ali invocado num ato a Marielle, morta tão jovem, pois o raro orixá está ligado à longevidade e à durabilidade das coisas, sendo o iroco uma árvore da flora africana que pode viver por séculos. Mas era também, portanto, um símbolo apropriado de resistência.

Brasileiros, alemães e outros estrangeiros, brancos e negros, homens e mulheres, homossexuais e heterossexuais estavam ali unidos pelo fim da violência contra mulheres, negros e homossexuais. Dava esperança na possibilidade de alianças políticas pelo bem da comunidade toda, que pessoas de históricos tão distintos possam se unir.

Além disso, desde o assassinato de Marielle, alguns artistas na Alemanha se manifestaram também, demonstrando que a situação no Brasil parece gerar mais atenção no âmbito internacional. Pessoalmente, vi Sasha Perera – que se apresenta como Perera Elsewhere – lamentar a morte de Marielle Franco nas redes sociais, a poeta e jornalista Annika Henderson, que se apresenta comoAnika, dedicar um poema à ativista brasileira em sua página oficial, e o produtorRed Ulyssescompor e lhe dedicar uma pequena faixa.

Duas coisas no ato chamaram ainda minha atenção, e uniram em minha cabeça a poesia, a cidade de Berlim e a cultura negra. No discurso de Marielle Franco exibido no ato, ao fim do texto a vereadora cita Audre Lorde, poeta negra, mulher e homossexual (como a vereadora) que viveu seus últimos anos de vida em Berlim.

Em seu poema "Uma litania para a sobrevivência”, Audre Lorde escreveu: "Para aqueles entre nós / que foram impressos com o medo / como uma linha tênue no centro de nossas testas / aprendendo a temer com o leite de nossas mães / pois por esta arma / esta ilusão de alguma segurança a ser achada / os de passos pesados esperavam silenciar-nos.” (tradução minha).

Por fim, o terreno onde estavam todos trazia o nome da poeta May Ayim. Nascida em 1960 na cidade de Hamburgo, a escritora cometeu suicídio em Berlim em 1996. Seu trabalho é um dos mais importantes no país sobre o racismo que alemães negros sofreram e sofrem, as dificuldades do cidadão de pele negra num país que associa sua identidade nacional à pele branca, aqueles que muitas vezes também mestiços aqui, como tantos brasileiros, sentem-se "daheim unterwegs” (em casa de viagem), como no poema "blues im schwarz weiss” de May Ayim. Vale dizer que na Alemanha a palavra "Mischling” (mestiço) tem forte conotação negativa, ao contrário do Brasil.

Na coluna  Bibliothek, publicada às terças-feiras, o escritor Ricardo Domeneck discute a produção literária em língua alemã, fala sobre livros recentes e antigos, faz recomendações de leitura e, de vez em quando, algumas incursões à relação literária entre o alemão e o português. A coluna Bibliothek sucede o Blog Contra a Capa.

_______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Leia mais

Links externos