″Não tenho imaginação″, afirma diretor de ″Tropa de elite 2″ no Festival de Berlim | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 11.02.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

"Não tenho imaginação", afirma diretor de "Tropa de elite 2" no Festival de Berlim

Urso de Ouro em 2008, José Padilha traz à capital alemã a segunda parte de seu épico carioca. Em entrevista, o diretor elucida a fronteira entre realidade e ficção em sua obra. E decreta: "Berlim é o melhor festival".

default

José Padilha: 'história de amor com Festival de Berlim'

Tropa de elite conquistou o Urso de Ouro no Festival Internacional de Cinema de Berlim, em 2008, prêmio que marcou para o filme o início de uma trajetória internacional. No ano seguinte, seu realizador retornava à capital alemã com o documentário Garapa.

Em 2011, após já ter sido vista por 11 milhões de expectadores no Brasil e bem recebida no Festival de Sundance, a segunda parte do épico de violência urbana – Tropa de elite 2: O inimigo agora é outro – é destaque da seção Panorama, no Festival de Berlim. Leia abaixo a entrevista da Deutsche Welle com o diretor José Padilha.

Deutsche Welle: Tanto Tropa de elite quanto O inimigo agora é outro são obras impiedosas: não há um herói no sentido convencional, ninguém é premiado, nem poupado, no fim das contas. Se o primeiro filme já pisava nos calos da polícia do Rio de Janeiro, o segundo pisa em calos bem maiores, que vão até o governo federal. No entanto, ambos são sucessos estrondosos de bilheteria e de crítica. Como reagem os donos dos calos?

José Padilha: Eles ficam muito incomodados. Com Tropa de elite 1, fui processado por todos os oficiais do BOPE – o Batalhão de Operações Especiais. Ameaçaram me prender na minha casa, se eu não contasse quem foram os policiais que me ajudaram a fazer o filme etc etc.

Agora, os calos do Tropa de elite 2 são muito maiores, porque o filme termina em Brasília, e fala de políticos. Tem gente que se reconhece, acha que está no filme. Só que ele é muito popular. Então, não dá muito voto você sair batendo no Tropa de elite 2. Sei porque recebo recados de muitos políticos que ficaram chateados – não vou dizer os nomes –, mas que, quando vão falar publicamente, dizem: "A doro esse filme!". Eles odeiam, mas não podem dizer, porque o público comprou o filme. E porque é verdade. Quem tem calo, sabe que tem calo.

Qual é a sensação de estar pela terceira vez no Festival de Berlim? Quais as suas expectativas quanto à apresentação do seu filme mais recente aqui?

Primeiro de tudo, é maravilhoso estar em Berlim. Adoro a cidade, adoro o festival, adoro as pessoas que fazem o festival. Com ele, tenho uma história de amor: esse festival é super importante para a minha carreira. Então, na verdade, é ao contrário: estamos oferecendo nosso filme na esperança que Berlim goste dele. E o que quer que saia daqui, é fantástico, independente de onde você apresente seu filme, do tempo que lhe concederem: você deve ficar bem feliz de o seu filme estar em Berlim. No meu entender, é o melhor festival que existe.

Filmstill 61. Berlinale 2011 Tropa de Elite 2 - o inimigo agora é outro

Ator Wagner Moura: de volta às telas da capital alemã

Todas as vezes em que estive aqui, tive a mesma sensação: estou ansioso para mostrar meu filme, quero saber o que o público vai dizer. Há festivais incríveis pelo mundo afora, mas este é um pouco diferente, porque o público é um público. Não são cineastas, nem compradores, nem gente de estúdio: é um público de verdade, de gente de Berlim que adora cinema. Assim, é sempre ótimo ter um feedback. Outra coisa: o fato de eu já ter apresentado o primeiro Tropa de elite aqui torna a coisa especial, porque as pessoas são capazes de entender os dois filmes juntos.

Você enfatiza que, originalmente, não havia qualquer intenção de criar um ciclo. Mesmo assim, para o expectador, as duas partes formam um poderoso arco dramático e narrativo. Como você descreveria a relação entre elas?

A intenção é que os dois filmes se complementem, que completem o tipo de raciocínio contido neles. Em Tropa de elite 1, a ideia é que você olhe para a violência da perspectiva de um policial violento, e você realmente aceita essa perspectiva. E a questão que o filme tenta levantar é: "Por que temos policiais como este? O que é que cria este tipo de agente da lei e este tipo de perspectiva no Brasil? " Na parte um, temos esse policial que é muito violento, na patrulha e no dia-a-dia, mas sem entender de onde vem essa violência: ele não se questiona, e nós o acompanhamos nos seus próprios termos.

No segundo filme, esse homem vai ser agora capaz de entender por que ele é o que é. Continua sendo um peão num tabuleiro de xadrez, como no primeiro filme, só que agora ele consegue olhar para cima e ver quem está jogando, quem o está movendo de um lado para o outro. Então, a parte dois não transcorre dentro da polícia, em si, mas na área entre ela e os políticos. Ela explica, de certa forma, por que a polícia é como é, e lança luz sobre o primeiro filme.

Ter ambos os filmes no mesmo festival é fantástico e estou especialmente interessado em saber o que as pessoas que viram o primeiro vão achar do segundo.

Filmstill 61. Berlinale 2011 Tropa de Elite 2 - o inimigo agora é outro

'Tropa de Elite 2 - o inimigo agora é outro'

Uma pergunta se coloca, sobretudo do exterior, diante de ambos os filmes: "Até que ponto o que estou vendo nas telas corresponde à realidade do Rio de Janeiro, do Brasil?" É possível responder a essa pergunta?

São filmes de ficção fortemente baseados em pesquisa e em eventos reais. Costumo dizer que não tenho imaginação, porque tudo o que se desenrola nos meus filmes acontece, de alguma forma, na realidade.

Na sequência de abertura de Tropa de elite 2, a rebelião no presídio, o cara de esquerda, da ONG, se interpõe entre o BOPE e os presos: é verdade, isso aconteceu no Brasil. Esse esquerdista se torna deputado: também é verdade, e o cara existe. Aí ele descobre as milícias, e quer iniciar uma CPI, e ninguém o escuta, até que uma jornalista é sequestrada pelas milícias: isso também é verdade.

Depois o Rio de Janeiro lança um programa para expulsar os traficantes das favelas, usando a força da polícia: isso também está acontecendo. Por fim, a polícia, sem o dinheiro das drogas, passa a controlar diretamente as favelas, virando uma espécie de máfia – uma milícia, como dizemos: bem, agora a metade das favelas é realmente controlada por milícias. " What you see is what you get".

Tropa de elite também suscita uma outra pergunta para quem não vivencia diretamente a realidade brasileira. Quando o presidente Lula assumiu o poder, era enorme a expectativa, também internacional, de que ele iria "consertar o país". E aí, você mostra esse mar de corrupção: isso quer dizer que Lula falhou?

O Brasil é um país enorme, que tem que lidar com inúmeras problemáticas: econômicas, diferenças sociais – pouquíssimas pessoas têm um monte de dinheiro, um número enorme só tem o mínimo. Há outros problemas, como a corrupção, a violência. Eu diria que Lula foi bem sucedido em alguns desses campos e fracassou em outros. Como a maioria dos presidentes: ainda estou para ver um que consiga resolver todas as questões de um país inteiro.

Mas no tocante à corrupção, acho que Lula fracassou fragorosamente, completamente e de uma maneira muito ruim. O governo dele era corrupto, ele foi apanhado num esquema gigantesco de corrupção chamado "mensalão". Muita gente importante do seu governo está agora respondendo a processo, mas ele conseguiu sair incólume, de alguma forma. E tem uma popularidade enorme no Brasil – por que, em outros aspectos, foi muito bom. Ele conseguiu elevar muita gente pobre até à classe média. Então, sendo bem direto: acho que ele fracassou na corrupção, mas teve êxito em vários outros aspectos econômicos, e foi isso que permitiu que elegesse a sua candidata.

Entrevista: Augusto Valente

Revisão: Soraia Vilela

Leia mais