Não basta controlar fronteiras para conter imigração ilegal | Notícias internacionais e análises | DW | 16.01.2007

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Não basta controlar fronteiras para conter imigração ilegal

Ministros do Interior e da Justiça da União Européia decidem maior cooperação com países de origem e de trânsito dos imigrantes ilegais nas fronteiras sul e leste do bloco.

UE quer migração controlada de africanos

UE quer migração controlada de africanos

No encontro encerrado nesta terça-feira (16/06) em Dresden, no Leste alemão, os ministros do Interior e da Justiça da União Européia (UE) definiram uma estratégia para combater a migração ilegal, principalmente da África para a Europa, através da Itália ou da Espanha.

O comissário de Justiça do bloco, Franco Frattini, advertiu para várias ondas de imigração ilegal previstas para os próximos meses. Para contê-las, o italiano apelou aos 27 países-membros para que contribuam com a Frontex. Segundo ele, a agência européia de combate à imigração ilegal, que tem sede em Varsóvia, necessita não só de mão-de-obra, mas também de navios, aviões e helicópteros.

Ajuda para o desenvolvimento

O controle de fronteiras, no entanto, não é suficiente para conter as ondas de refugiados."Se a União Européia quer que as nações de origem recebam os imigrantes ilegais de volta, é preciso oferecer algo a elas. Isto é ajuda ao desenvolvimento", disse o ministro alemão do Interior, Wolfgang Schäuble.

A União Européia pretende viabilizar a migração legal através de empregos temporários, já que quase todos os países da União Européia carecem de mão-de-obra para atividades não-qualificadas, como a colheita.

"Migração temporária" ou "migração circular" é o nome dado aos projetos piloto que serão iniciados em cooperação com alguns países africanos, eventualmente Mali, Gâmbia, Senegal e Mauritânia.

"Queremos abrir um caminho legal a um emprego na União Européia. Por outro lado, é preciso oferecer aperfeiçoamento profissional e cursos de idioma, pois também as pessoas que vêm apenas por um certo tempo precisam ser treinadas", disse Frattini.

O comissário lembrou também que é preciso a garantia dos países de origem, de que aceitarão seus cidadãos de volta após o fim do vínculo empregatício combinado.

Países estabelecerão cotas

Nas próximas semanas, a Comissão Executiva da União Européia pretende sondar a disponibilidade das nações africanas. Em troca, cientistas e universitários dos países interessados nesta parceria teriam facilidades na concessão de vistos para a UE.

Os resultados destas sondagens devem ser apresentados o mais rápido possível aos chefes de Estado e de governo do bloco, pois seu êxito depende dos ministros do Trabalho de cada país, quando estabelecerem as cotas para mão-de-obra africana em seus mercados de trabalho.

Leia mais