Museu de Londres reunirá relatos de sonhos de britânicos na pandemia | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 26.11.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coronavírus

Museu de Londres reunirá relatos de sonhos de britânicos na pandemia

Projeto visa documentar mudanças no sono causadas pelo confinamento e pela crise gerada com a covid-19, além de coletar narrativas sobre o período para gerações futuras.

Mulher dormindo

63% dos britânicos sofreram algum distúrbio do sono desde o início do confinamento

Mudanças no sono aparentemente têm sido comuns durante a pandemia de covid-19. Para documentar esse impacto da crise, o Museu de Londres lançou nesta quinta-feira (26/11) um projeto que visa coletar relatos de sonhos e pesadelos que moradores da capital britânica tiveram durante o confinamento.

De acordo com o museu, a vida dos habitantes de Londres não mudou apenas no cotidiano devido à pandemia, mas também "em relação a como dormimos e sonhamos". Chamado de Guardiões do Sono, o projeto irá coletar sonhos na forma de história oral, além de analisar o que os sonhos podem dizer sobre saúde mental, e maneiras de como lidar com o estresse externo, especialmente em tempos de crise.

Até 15 de janeiro, voluntários poderão se inscrever para participar do projeto, que é desenvolvido em parceria com o Museu dos Sonhos da Universidade de Western, no Canadá. Em fevereiro, os selecionados serão convidados para conversar sobre seus sonhos com uma equipe internacional de especialistas.

Segundo a curadora digital do Museu de Londres, Foteini Aravani, a gravação dos sonhos permitirá não somente "documentar uma experiência fundamental compartilhada da pandemia", mas também ampliar a definição de "objeto de museu".

"Iremos colecionar histórias orais em primeira pessoa com o objetivo de fornecer uma narrativa mais emotiva e pessoal deste tempo para futuras gerações", acrescentou Aravani.

Sonhos mais vívidos do que o normal, pesadelos desconcertantes, insônia ou cansaço ao acordar são experiências frequentes após a chegada do coronavírus, segundo o levantamento do King's College London e da empresa de pesquisa de mercado Ipsos MORI que inspirou o projeto do museu.

O levantamento, que ouviu 2.254 britânicos no final de maio, descobriu que 63% dos entrevistados sofreram algum distúrbio do sono desde o início do confinamento no Reino Unido, em 23 de março. A pesquisa questionou os entrevistados sobre os tipos de alterações do sono mais frequentes.

Quando o projeto do museu estiver concluído, será possível saber não somente como os britânicos dormiram na pandemia, mas o que eles sonharam a partir do momento em que se viram obrigados a ficar confinados em casa.

CN/efe/afp

Leia mais