Mulheres, uma frente contra Bolsonaro | DW Brasil | Notícias e análises do Brasil e do mundo | DW | 17.09.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Mulheres, uma frente contra Bolsonaro

Ataque de hackers contra grupo de mulheres no Facebook com mais de 2 milhões de integrantes chama a atenção para um dos maiores focos de resistência ao candidato do PSL: o eleitorado feminino.

Mulheres fazem protesto contra a proibição do aborto no Rio de Janeiro

Mulheres fazem protesto contra a proibição do aborto no Rio de Janeiro

Os ânimos aflorados da corrida eleitoral estão resultando em uma guerra on-line sem precedentes no Brasil. O ataque de hackers ao grupo e às administradoras da página no Facebook intitulada "Mulheres unidas contra Bolsonaro” no sábado (15/09) foi mais um episódio de uma eleição de extremos, que já teve esfaqueamento de um candidato e tiros a uma caravana de outro.

O grupo é fechado apenas para inscritos e se descreve como apartidário, contra o "machismo, misoginia e outros tipos de preconceitos representados pelo candidato Jair Bolsonaro e seus eleitores”. A página foi restabelecida no domingo. Até a tarde desta segunda-feira (17/09), contava com mais de 2,5 milhões de integrantes (ele só pode ser visto por membros ou quem for convidado). Por algumas horas passou a se chamar "Mulheres com Bolsonaro #17” e enviou mensagens de apoio ao candidato do PSL. 

Algumas administradoras da página também tiveram seus perfis invadidos. A criadora do grupo, Ludimilla Teixeira, fez um boletim de ocorrência no domingo em Vitória da Conquista, interior da Bahia. O caso está sendo investigado pelo Grupo Especializado de Repressão a Crimes por Meios Eletrônicos da Polícia Civil do estado.

"Nos foi passado pela advogada da administradora que o boletim de ocorrência seria investigado pela polícia civil primeiramente como crime contra a pessoa, mas se a polícia concluir que é crime cibernético, aí a PF tem competência”, informou o grupo em nota.

A nota, em resposta a perguntas encaminhadas pela DW, ainda critica o ataque e reforça o posicionamento a favor dos direitos das mulheres.

"O que está em jogo é a liberdade de expressão, temos o direito garantido pela Constituição de nos manifestarmos contrárias a um posicionamento político que vai de encontro às necessidades das mulheres. O discurso de ódio disseminado pelo candidato que fazemos frente de resistência está sendo refletido nas atitudes dos apoiadores que insistem em invadir nosso grupo e silenciar nossas mulheres”, comunica o texto do "Mulheres unidas contra Bolsonaro".

#Elenão e #elenunca

A equipe da FGV DAPP (Diretoria de Análise de Políticas Públicas da Fundação Getúlio Vargas) monitora o comportamento das redes nesta eleição. Um levantamento feito nesta segunda-feira mostra que o impacto do ataque acabou favorecendo o discurso contra o candidato do PSL no fim de semana.

"A campanha #elenão teve mais de 193,4 mil citações no Twitter entre sexta-feira e domingo, e a #elenunca chegou a 152 mil citações. Além disso, após a página ser hackeada, surgiram várias com o mesmo teor”, explica Amaro Grassi, pesquisador da FGV DAPP.

O pesquisador diz ainda que a violência dos discursos e das práticas dentro das redes sociais são um reflexo do que acontece do lado de fora, em uma eleição polarizada.

"O que essas páginas mostram é algo que as próprias pesquisas já indicam, que há um eleitorado feminino que é contra o que o candidato defende. Então é importante deixar claro que hackear uma página é uma agressão à liberdade de expressão”, afirma Grassi.

Segundo a última pesquisa Datafolha, a candidatura de Bolsonaro tem mais apoio entre homens (35%) do que entre as mulheres (18%). A rejeição do eleitorado feminino ao candidato está em 49%, cinco pontos maior que entre o masculino.

Além dos ataques de hackers, o grupo de mulheres, criado há apenas duas semanas, foi alvo de diversas acusações falsas. Uma delas foi de que suas criadores alteraram o nome de outra conta para simular um número alto de participantes. No fim de semana, Eduardo Bolsonaro, filho de Jair Bolsonaro e candidato a deputado federal pelo Rio de Janeiro, foi uma das pessoas que espalhou essa informação incorreta. 

Vice de Bolsonaro, o general Hamilton Mourão também propagou notícia falsa contra as administradoras da página.

"Essa rede aí que apareceu dizendo que tinha 800 mil mulheres contra o Bolsonaro, a gente sabe que aquilo ali é uma coisa fake. Ela era um site, foi comprado por um grupo de opositores e que se apropriou daquilo ali. Essa é a realidade e nós estamos até aprofundando os nossos dados sobre isso", disse Mourão em entrevista ao jornal A Crítica, de Manaus (AM), no sábado. 

O "grupo rival”

Poucos dias após a criação da página contra o Bolsonaro, o Facebook ganhou uma página a favor do candidato do PSL: "Mulheres com Bolsonaro #17”. Karla Lima, uma das administradoras do grupo que conta com 1,3 milhão de participantes, afirma que a página é uma resposta aos que criticam candidato e que, apesar dos hackers terem usado um nome idêntico, não há qualquer relação entre eles e o ataque cibernético do fim de semana.

O dia-a-dia de um grupo que deveria ser apenas de apoio a um candidato é uma batalha por espaço e alcance. Em entrevista à DW por Whatsapp, Karla diz não concordar com os ataques dos hackers. Chamando a outra página de "grupo rival”, ela diz ainda que já sofreu xingamentos de pessoas do grupo contra Bolsonaro.

"Não concordamos com esses ataques, e está nas regras do grupo desde sua criação que qualquer publicação promovendo ataques a páginas, grupos, perfis rivais serão apagados e, se insistido nisso, os membros serão bloqueados. Não permitimos de forma alguma posts sobre o grupo contra e apagamos todos os posts que os membros fazem. Orientamos incansavelmente para que isso não seja feito.”

Facebook e Twitter divulgaram diversas ações para evitar manipulação ou uso de robôs nas suas plataformas nesta eleição. Além disso, juntamente com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), passaram a controlar as propagandas eleitorais nas redes.

_______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp 

App | Instagram | Newsletter

Leia mais