Mulheres lutam por oportunidades no setor cultural da Alemanha | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 11.10.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Mulheres lutam por oportunidades no setor cultural da Alemanha

Na Alemanha, menos de 25% dos filmes são rodados, escritos ou produzidos por mulheres.

Assistir ao vídeo 04:25
Ao vivo agora
04:25 min

Na Alemanha, menos de 25% dos filmes são rodados, escritos ou produzidos por mulheres. Dentro desta estatística está Janine Jackowski. A produtora conseguiu se estabelecer - e se destacar - em uma cena dominada por homens. Ela trabalhou na produção de vários filmes, entre eles, "Uma mulher fantástica" e o aclamado “Toni Erdmann”, premiado em Cannes e um dos indicados ao Oscar 2017 como melhor filme estrangeiro.

Junto com Maren Ade, diretora do longa "Toni Erdmann", Janine Jackowski fundou a produtora Komplizenfilm. Apesar de o mercado cinematográfico ser dominado por homens, Janine conta que o cenário era outro na época da universidade: “Quando Maren e eu estudávamos cinema era realmente meio a meio. A participação feminina não era tema durante a universidade. Porém, alguns anos depois nos perguntamos: quem dos nossos colegas ainda trabalha na área? Praticamente só os homens.”

O domínio masculino também atinge outros setores culturais, como os museus. Marion Ackermann é um das poucas mulheres em posição de liderança na área. Desde novembro de 2016, ela é diretora-geral dos Acervos estatais de arte de Dresden: uma das funções mais importantes ligadas a museus na Alemanha. Marion gerencia 450 funcionários e 15 museus. “Poucas mulheres estão em posições de liderança. Se observarmos a associação de museus BIZOT, de cerca de 45 diretores de museus em todo o mundo, somos atualmente apenas 4 ou 5 mulheres", comenta Marion Ackermann.