Mugabe reaparece em público após intervenção militar | Notícias internacionais e análises | DW | 17.11.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Mugabe reaparece em público após intervenção militar

Oficialmente em prisão domiciliar, presidente do Zimbábue é visto em público pela primeira vez desde que Forças Armadas assumiram o controle do país. Sua saída do poder, após quase quatro décadas, ainda é incerta.

Robert Mugabe durante cerimônia em universidade em Harare

Robert Mugabe durante cerimônia em universidade em Harare

O presidente do Zimbábue, Robert Mugabe, presidiu uma graduação numa universidade da capital Harare, nesta sexta-feira (17/11), no que foi sua primeira aparição pública desde que foi posto em prisão domiciliar pelos militares, que mantêm o controle do país.

Segundo informou o portal noticioso local News Day, o presidente compareceu ao local sob vigilância e sem a companhia da esposa, Grace Mugabe.

O ministro da Educação, Jonathan Moyo, que, segundo a imprensa local, continua detido, também não foi visto na cerimônia. O ato oficial na Universidade Aberta do Zimbábue estava programado na agenda de Mugabe antes da intervenção das Forças Armadas.

Leia também: O dedo da China na crise no Zimbábue

Desde o início da semana, Mugabe está confinado em sua residência, enquanto ocorrem uma série de negociações políticas sobre seu afastamento. Ele está no poder há 37 anos – somando os cargos de primeiro-ministro e presidente. Até o momento, os militares têm mostrado respeito pelo presidente de 93 anos, referindo-se a ele como "comandante-em-chefe".

No entanto, também nesta sexta-feira, o líder da associação de veteranos de guerra do Zimbábue – uma voz poderosa na política do país – disse que Mugabe deveria renunciar imediatamente e convocou protestos contra o presidente para sábado.

"Os generais fizeram um trabalho fantástico. Está feito, está terminado", disse Christopher Mutsvangwa, em Harare. "Não há volta para Mugabe. Ele tem que sair." O líder oposicionista Morgan Tsvangirai também pleiteou a renúncia de Mugabe.

A crise em torno do presidente de 93 anos atingiu seu ápice quando o Exército interveio e tomou o controle do país na noite de terça para quarta-feira. Mugabe foi colocado em prisão domiciliar em seu complexo em Harare, e os militares assumiram a televisão estatal e bloquearam as estradas principais na capital.

Na quinta-feira, porém, a televisão estatal mostrou o encontro de Mugabe com o comandante militar Constantino Chiwenga sem sua casa, onde ele aparentemente também se encontrou com enviados sul-africanos.

As fotos num jornal estatal mostraram um sorridente Mugabe apertando a mão de Chiwenga. Os dois se encontraram com o ministro da Defesa da África do Sul, Nosiviwe Mapisa-Nqkula, e seu homólogo zimbabuense Sydney Sekeramayi.

Apesar do caos político, a população de Harare começou a retomar sua rotina na quinta-feira, enquanto escolas e lojas permaneceram abertas na capital, embora soldados mantivessem patrulha e vigilância nos arredores dos principais edifícios governamentais.

O comissário para a paz e a segurança da União Africana (UA), Smail Chergui, disse em entrevista à DW que a UA espera uma resolução pacífica. "Acredito que, enquanto falamos, o Parlamento ainda está em vigor, o governo está trabalhando e não há sinal de violência. Esperamos que a SADC venha a ser bem-sucedida na neutralização das tensões."

A Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC, na sigla em inglês) é uma organização intergovernamental com sede em Botswana que visa promover a cooperação política e de segurança entre 16 Estados do sul da África, incluindo Zimbábue e África do Sul.

A crise atual no Zimbábue eclodiu após semanas de agitação política depois que Mugabe demitiu seu vice-presidente, Emmerson Mnangagwa, extremamente popular entre as Forças Armadas. Críticos afirmam que a medida visava abrir o caminho para a esposa Grace, de 52 anos, suceder Mugabe na presidência do país.

Embora Mugabe seja fortemente criticado por violações de direitos humanos, para muitos ele é um herói da luta da independência do país contra o Reino Unido e um provedor de estabilidade, mesmo que a outrora próspera economia tenha se desintegrado sob suas políticas financeiras atuais. Em 2009, a inflação atingiu proporções tão altas que a própria moeda do Zimbábue foi nulificada em favor transações com o dólar americano.

Desde a intervenção, os militares negam se tratar de um golpe e dizem que as ações têm o objetivo de "derrubar criminosos no entorno de Mugabe". A imprensa estatal publicou nesta sexta-feira um comunicado indicando que as conversações "prosseguem".

PV/efe/lusa/ap/rtr/afp

__________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Leia mais