MPF reforça pedido para nova condenação de Lula | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 04.10.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

MPF reforça pedido para nova condenação de Lula

Em alegações finais, procuradores da Lava Jato afirmam que ex-presidente recebeu vantagens indevidas da Odebrecht por meio da compra de um terreno para o Instituto Lula. Defesa fala em perseguição política.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva

Lula está preso desde abril na sede da Polícia Federal em Curitiba

O Ministério Público Federal (MPF) apresentou nesta quinta-feira (04/10) suas alegações finais no âmbito de um processo em que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é acusado de ter recebido propina da empreiteira Odebrecht, reiterando seu pedido para que o petista seja condenado.

No documento de mais de 400 páginas, os procuradores da força-tarefa da Operação Lava Jato pedem a condenação de Lula – que já é réu nessa ação penal – por nove atos de corrupção passiva e por sete atos de lavagem de dinheiro.

O processo apura se o ex-presidente recebeu vantagens indevidas da empresa por meio da compra de um terreno que abrigaria uma nova sede para o Instituto Lula, no valor de 12,4 milhões de reais, e de um apartamento em São Bernardo do Campo, vizinho à residência do petista, de 504 mil reais.

Com a apresentação das alegações pelo MPF, agora cabe às defesas dos réus entregarem suas alegações finais. Esse é o último passo do processo antes de o juiz decidir sobre a sentença, que não tem prazo para ser proferida.

Em suas alegações, os procuradores também pedem a condenação do executivo Marcelo Odebrecht, ex-presidente da empreiteira, pelo crime de corrupção ativa, do ex-ministro Antonio Palocci e de seu ex-assessor Branislav Kontic, ambos por corrupção passiva qualificada.

Já pelo crime de lavagem de dinheiro, o MPF solicita que sejam condenados o ex-executivo da Odebrecht Paulo Ricardo Baqueiro de Melo, os empresários Dermeval de Souza Gusmão Filho e Glaucos da Costamarques e o advogado Roberto Teixeira.

O documento ainda cobra de Lula o pagamento de mais de 75 milhões de reais – montante que, segundo as investigações, corresponde ao valor total da porcentagem da propina paga pela Odebrecht em troca de contratos firmados com a Petrobras – e, como reparação, pede o perdimento do apartamento em São Bernardo que seria fruto de vantagens ilícitas.

A denúncia contra Lula e os demais acusados foi apresentada em 15 de dezembro de 2016e é a segunda no âmbito da Lava Jato. A ação alega que o ex-presidente atuou em favor de interesses econômicos da Odebrecht e, em troca, recebeu vantagens indevidas, acertadas com Marcelo Odebrecht e Antonio Palocci.

Segundo a denúncia, parte dos 75 milhões de reais foi usada na aquisição do terreno para o Instituto Lula e do apartamento em São Bernardo, e outra parte, repassada a partidos e agentes políticos que apoiavam o governo Lula, entre eles o PP e o MDB, além do próprio PT.

Em nota nesta quinta-feira, a defesa de Lula afirma que as alegações finais do MPF "reforçam a perseguição política" imposta ao ex-presidente e buscam sua condenação "sem que ele tenha praticado qualquer crime ou recebido qualquer benefício em troca de atos praticados na condição de chefe de Estado e de governo".

O comunicado alega ainda que a acusação não apresenta "qualquer prova de culpa" e não consegue "comprovar os fatos afirmados na denúncia, porque jamais ocorreram".

"Quando julgado por um juiz imparcial, isento e independente, Lula será absolvido nesse e nos demais processos que foram abertos não pela existência de qualquer indício de crime, mas, sim, para impedir sua atuação política e sua candidatura à Presidência da República", acrescenta a defesa.

Lula está preso na sede da Polícia Federal em Curitiba desde 7 de abril, condenado a 12 anos e um mês de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro na ação envolvendo um tríplex no Guarujá, no litoral paulista. Ele nega as acusações.

O petista também é réu em outro processo no âmbito da Lava Jato, no qual responde pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro envolvendo um sítio em Atibaia, no interior paulista.

EK/ots

___________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp
App | Instagram | Newsletter

Leia mais