MPF pede arquivamento de inquérito contra agressor de Bolsonaro | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 04.06.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

MPF pede arquivamento de inquérito contra agressor de Bolsonaro

Com base em investigação da PF, Ministério Público Federal conclui que Adélio Bispo de Oliveira agiu sozinho no ataque contra o então candidato à presidência. Ele já havia sido absolvido em outro processo do caso.

Bolsonaro foi alvo de um ataque com faca em 6 de setembro, quando participava de um ato de campanha em Juiz de Fora

Bolsonaro foi alvo de um ataque com faca em 6 de setembro, quando participava de um ato de campanha em Juiz de Fora

O Ministério Público Federal (MPF) em Minas Gerais concluiu que Adélio Bispo de Oliveira, o homem que esfaqueou o então candidato à presidência Jair Bolsonaro, agiu sozinho e pediu nesta quinta-feira (04/06) o arquivamento provisório do segundo inquérito que apura o caso.

O MPF baseou a decisão no material que recebeu da Polícia Federal (PF) e afirmou que Adélio concebeu, planejou e executou o ataque sozinho. Os procuradores destacam que o acusado já estava em Juiz de Fora quando o ato da campanha de Bolsonaro foi organizado. Desta maneira, ele não se descolou para a cidade para cometer o crime.

Dados do celular e do computador de Adélio também não mostraram trocas de mensagem ou telefonemas com supostos interessados no crime. O inquérito revelou ainda que tanto o autor do crime quanto seus familiares não apresentaram movimentação financeira incompatível com seus trabalhos e padrões de vida. Não há depósitos atípicos, suspeitos ou de origem desconhecida nas contas dos investigados.

O pedido de arquivamento provisório ocorre por haver uma diligência pendente – referente à análise de material aprendido no escritório de um ex-advogado de Adélio, que visa esclarecimento sobre o pagamento de honorários para a defesa do agressor – para a conclusão do inquérito. O processo está no Supremo Tribunal Federal (STF), que precisa decidir sobre a legalidade da apreensão deste material. A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) argumenta que essa perícia é ilegal.

A conclusão do MPF é a mesma do primeiro inquérito do caso, que foi finalizado em setembro de 2018. Na época, a PF afirmou que Adélio agiu sozinho ao esfaquear Bolsonaro. Ele foi indiciado por prática de atentado pessoal por inconformismo político, com base na Lei de Segurança Nacional. A Polícia Federal abriu a segunda investigação para assegurar que não houve participação de terceiros no crime.

Em julho de 2017, a Justiça Federal em Juiz de Fora absolveu Adélio. O agressor foi considerado inimputável, e o juiz do caso determinou sua internação por tempo indeterminado. Sem recursos, a sentença transitou em julgado e o processo foi encerrado. Adélio não pode mais ser condenado pelo crime.

Bolsonaro foi alvo de um ataque com faca em 6 de setembro, quando participava de um ato de campanha em Juiz de Fora (MG). Desde o episódio da facada, o presidente vem afirmando acreditar que Adélio fazia parte de uma conspiração, contestando as conclusões da Polícia Federal de que o agressor agiu sozinho. Bolsonaro, porém, não recorreu da sentença que absolveu Adélio.

À época da divulgação da decisão, Bolsonaro reagiu com indignação, disse que pretendia recorrer e iria até "as últimas consequências" para rever a sentença, algo que não chegou a fazer.

CN/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter

Leia mais