Mourão diz que Forças Armadas podem ficar na Amazônia até 2022 | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 16.07.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

Mourão diz que Forças Armadas podem ficar na Amazônia até 2022

Em meio à pressão de investidores, vice afirma que governo vai procurar diminuir desmatamento e queimadas ao "mínimo aceitável" e mostrar que proteção ambiental e desenvolvimento econômico não são incompatíveis.

Hamilton Mourão

"Seremos avaliados pela eficácia de nossas ações e não pela nobreza de nossas intenções", disse Mourão

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, afirmou nesta quarta-feira (15/07) que, se necessário, o governo pode manter as Forças Armadas em operação contra o desmatamento e as queimadas na Amazônia até o fim de 2022, quando termina o atual mandato presidencial.

"A operação é uma medida urgente, mas não é um esforço isolado. As ações estão sendo ampliadas para evitar as queimadas durante o verão amazônico, que já começou e se estende até setembro", afirmou Mourão.

Veja o Especial da DW Brasil sobre a Amazônia

O vice-presidente falava após uma reunião do Conselho Nacional da Amazônia Legal, órgão que coordena diversas ações direcionadas à preservação da floresta e do qual é presidente.

O governo brasileiro prometeu adotar as "medidas possíveis" para conter a desmatamento na região, após pressões de investidores, que ameaçam retirar os seus apoios ao país se a destruição da Amazônia não for interrompida. "Seremos avaliados pela eficácia de nossas ações e não pela nobreza de nossas intenções", admitiu Mourão.

O aumento do desmatamento e dos focos de incêndio durante o governo do presidente Jair Bolsonaro suscitou preocupações e questionamentos entre fundos globais de investimento e também empresas privadas brasileiras.

O vice-presidente afirmou que o Executivo não nega nem esconde informações sobre a gravidade da situação, mas que não aceita o que chamou de narrativas simplistas e enviesadas sobre o assunto.

"Como se não bastasse o prejuízo natural brasileiro, os crimes ambientais deixam o nosso país vulnerável a campanhas difamatórias, abrindo caminho para que interesses protecionistas levantem barreiras comerciais injustificáveis às exportações do agronegócio", declarou Mourão.

"Vamos procurar diminuir aos mínimos aceitáveis o desmatamento e as queimadas e mostrar que a proteção ambiental e o desenvolvimento econômico não são incompatíveis", concluiu o general.

O governo brasileiro tenta melhorar sua imagem no exterior em relação à proteção da Amazônia e dos povos indígenas, diante de críticas e alertas que tem recebido de investidores.

O desmatamento na Amazônia brasileira aumentou pelo 14º mês consecutivo em junho e foi o maior registrado para o mês nos últimos cinco anos, segundo dados do Inpe.

A destruição da floresta aumentou 10,6% em relação a junho de 2019, atingindo 1.034 km². Em relação a junho de 2018, a alta foi de 112%, e a junho de 2017, de 70%.

Quando considerados os seis primeiros meses de 2020, o desmatamento aumentou 25% em relação ao mesmo período do ano passado, para 3.069 km².

AS/lusa/afp/dpa

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter

Leia mais