Morte de guarda de Auschwitz priva sobreviventes de justiça | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 08.04.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Morte de guarda de Auschwitz priva sobreviventes de justiça

Ernst Tremmel, de 93 anos, morreu uma semana antes de ir a tribunal na Alemanha, acusado de cumplicidade em 1.075 assassinatos. Nonagenários que resistiram ao campo de concentração aguardavam julgamento.

A morte de um ex-guarda de Auschwitz dias antes de seu julgamento na Alemanha frustrou as esperanças de dois judeus idosos que sobreviveram ao regime nazista e buscavam justiça para seus pais, que morreram quando o acusado trabalhava no campo de extermínio.

Ernst Tremmel, de 93 anos, morreu nesta quinta-feira (07/04), uma semana antes de ir a tribunal. Ele era acusado de cumplicidade em 1.075 assassinatos quando trabalhava no campo de extermínio e iria ser julgado a partir da próxima quarta-feira na cidade de Hanau.

Israel Löwenstein, sobrevivente do Holocausto e hoje com 91 anos, e Henry Foner, um químico de 83 anos, esperavam que Tremmel enfrentasse a Justiça mesmo no fim da vida. "Mas, por outro lado, nem sabemos se ele teria dito a verdade sobre Auschwitz – muitos dos acusados não dizem, afinal", disse Löwenstein, depois de saber da morte do ex-guarda.

"Nunca pode haver um ponto final. Um ponto final para mim é sem sentido – você não pode recuperar o que foi tomado", acrescenta Foner, após reconhecer ser positivo que a Alemanha esteja julgando os últimos cúmplices vivos do Holocausto. "Mas isso, por algum motivo, não me comove", ressalta.

Tremmel serviu na divisão Totenkopf da SS, processando a chegada de prisioneiros, e teria estado diretamente envolvido em três transportes, vindos de Berlim, da cidade francesa de Drancy e de Westerbork, na Holanda.

Assistir ao vídeo 03:24
Ao vivo agora
03:24 min

O difícil legado da cidade de Auschwitz

"Entre os deportados, pelo menos 1.075 pessoas foram cruelmente assassinadas imediatamente após a chegada em Auschwitz", afirmou o tribunal de Hanau ao anunciar o julgamento, em fevereiro.

Por Tremmel ter entre 19 e 20 anos na época de seus supostos crimes, ele deveria ser julgado sob a lei penal juvenil, apesar de sua idade avançada. Devido à sua saúde frágil, o tribunal tinha ordenado que as audiências se limitassem a quatro horas por dia.

Precedente

O fundamento legal para processar ex-nazistas mudou em 2011, com a condenação na Alemanha do ex-guarda de campo de extermínio John Demjanjuk. O veredicto foi baseado no fato de ele ter trabalhado no campo de Sobibor, na Polônia ocupada, sem que fosse necessário comprovar o envolvimento direto dele nos assassinatos. Antes desse precedente, a Justiça alemã requeria que fosse atestada a culpa do réu em um crime específico, o que dificultava o trabalho da acusação em tais casos.

Tremmel era um dos 14 suspeitos que foram alvo de ações coordenadas pelas autoridades alemãs em fevereiro de 2014, numa tentativa de levar à Justiça os últimos autores vivos do Holocausto.

Em julho passado, Oskar Gröning, apelidado de o "contador de Auschwitz", foi condenado a quatro anos de prisão por cumplicidade no assassinato de 300 mil pessoas no campo de concentração.

No entanto, o julgamento de um ex-médico de Auschwitz – Hubert Zafke, de 95 anos – na cidade de Neubrandenburg, sob a acusação de cumplicidade em 3.681 assassinatos, foi suspenso pela segunda vez no mês passado. O motivo foi a saúde precária do acusado, levantando dúvidas sobre se o caso poderá prosseguir.

Um terceiro homem, o ex-guarda da SS Reinhold Hanning, de 94 anos, foi a julgamento em 11 de Fevereiro deste ano, acusado de cumplicidade em 170 mil mortes em Auschwitz.

MD/rtr/afp

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados