Morre soldado americano que desertou para Coreia do Norte | Notícias internacionais e análises | DW | 12.12.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Morre soldado americano que desertou para Coreia do Norte

Com medo de ser morto ou enviado ao Vietnã, Charles Robert Jenkins atravessou a fronteira para o Estado comunista em 1965, algo do que acabou se arrependendo: regime de Pyongyang o manteve retido por quatro décadas.

default

Ex-sargento tinha planejado pedir asilo na embaixada da Rússia e ser devolvido aos EUA numa troca de prisioneiros

Morreu na segunda-feira (11/12), aos 77 anos, o ex-sargento americano Charles Robert Jenkins, que desertou para a Coreia do Norte em 1965 e ficou retido lá por quatro décadas.

A informação foi dada nesta terça-feira por um funcionário do município da ilha japonesa de Sado, onde o ex-militar residia. Jenkins morreu no hospital devido a uma arritmia. 

Jenkins foi um dos seis soldados americanos que desertaram para a Coreia do Norte – e o único a sair para contar a sua história.

Em janeiro de 1965, o jovem sargento natural da Carolina do Norte estava destacado para patrulhar o lado sul da zona desmilitarizada que separa as duas Coreias. Ele bebeu dez cervejas e atravessou a fronteira para o Estado comunista.

Foi uma decisão da qual Jenkins posteriormente se arrependeu. Em seu julgamento numa corte marcial em 2004, no Japão, ele justificou sua fuga com a preocupação de que pudesse ser morto ao longo da fronteira ou que fosse enviado ao Vietnã.

"Eu sei que não estava pensando com clareza na época, e muitas das minhas decisões não fazem sentido agora, mas na época estas decisões tinham uma lógica e fizeram com que minhas ações parecessem quase inevitáveis", escreveu Jenkins em suas memórias em 2008.

O ex-sargento planejava pedir asilo na embaixada da Rússia e ser devolvido aos EUA numa troca de prisioneiros. Mas, ao lado de outros três desertores americanos, foi retido pelo regime de Pyongyang por oito anos e forçado a aprender a ideologia norte-coreana.

Um lar e uma família

Em 1972, Jenkins recebeu a cidadania norte-coreana e se mudou para uma casa simples. Seu principal trabalho era ensinar inglês a oficiais militares e participar como ator em filmes de propaganda contra os Estados Unidos.

Em 1980, as autoridades norte-coreanas transferiram Hitomi Soga, uma japonesa de 21 anos, para a casa de Jenkins – duas semanas depois, eles foram forçados a se casar.

Soga tinha sido sequestrada do Japão - japoneses eram sequestrados e usados para treinar agentes secretos norte-coreanos na língua e costumes nipônicos. Mas Soga e Jenkins se apaixonaram e tiveram duas filhas.

Soga foi libertada em 2002, pouco depois da visita a Pyongyang do então primeiro-ministro japonês, Junichiro Koizumi, e regressou ao Japão. Só na segunda visita de Koizumi ao país, as filhas do casal, nascidas na Coreia do Norte, foram autorizadas a se juntarem aos pais. 

Em julho de 2004, Jenkins chegou ao Japão, onde foi julgado por deserção por um tribunal militar dos Estados Unidos. A idade, condições de saúde e o tempo decorrido desde a deserção pesaram na pena, que foi de 30 dias de confinamento na prisão militar de Yokosuka, perto de Tóquio.

A família residia na ilha de Sado, desde dezembro de 2004. Por lá, Jenkins trabalhou numa loja de presentes e escreveu seu livro de memórias The Reluctant Communist: My Desertion, Court-Martial, and Forty-Year Imprisonment in North Korea (O comunista relutante: minha deserção, corte marcial e 40 anos de aprisionamento na Coreia do Norte, em tradução livre). 

Em suas memórias, Jenkins descreve uma vida difícil de repressão, medo e abuso e que fornecem informações sobre a Coreia do Norte. Ele foi repetidamente espancado. Quando notaram que ele tinha uma tatuagem do Exército dos EUA, foi levado a um médico para cortá-la sem anestesia.

"Você não diz 'não' à Coreia do Norte. Você diz uma coisa ruim sobre Kim Il-sung e então cavou sua própria cova, porque você já era", disse Jenkins à corte marcial, referindo-se ao fundador do Estado comunista.

PV/lusa/efe/rtr

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Leia mais