Morales diz que diretor da LaMia foi seu piloto | Notícias sobre a América Latina e as relações bilaterais | DW | 02.12.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

América Latina

Morales diz que diretor da LaMia foi seu piloto

Líder boliviano reconhece Gustavo Vargas de voos antes e depois de assumir a presidência. Mandatário pede investigação sobre a empresa após acidente que vitimou a delegação da Chapecoense.

Evo Morales

"Eu não sabia que [a LaMia] tinha autorização, não sabia que era uma empresa com matrícula boliviana", disse Morales

O presidente da Bolívia, Evo Morales, reconheceu nesta sexta-feira (02/12) que Gustavo Vargas, diretor-geral da companhia aérea boliviana LaMia, proprietária do avião que caiu próximo a Medellín com a delegação da Chapecoense, foi piloto presidencial.

Segundo informações da agência de notícias Efe, Morales disse que reconheceu o piloto de voos realizados no início de seu governo e que se recordava dele de outros tempos. O presidente também admitiu que desconhecia que a companhia tinha matrícula boliviana.

"Eu não sabia que [a LaMia] tinha autorização, não sabia que era uma empresa com matrícula boliviana", disse Morales. "Devemos investigar como foi legalizada, como foi constituída a empresa, como são dadas as licenças correspondentes."

Morales lembrou que quando era líder sindical foi levado por Vargas num avião de pequeno porte a Chapare, numa zona de camponeses produtores de coca, para suspender as mobilizações dos trabalhadores após negociações com o governo. Na época, Vargas era oficial da Força Aérea Boliviana.

Morales pediu uma investigação sobre o caso. Ele se referiu à circunstância de que outra pessoa, chamada Gustavo Vargas Vilegas, que integrava a diretoria da Direção Geral de Aeronáutica Civil, o órgão regulador da aviação boliviana, como diretor do registro aeronáutico nacional. A relação entre os dois Gustavos está documentada nas redes sociais. Eles, supostamente, seriam pai e filho, segundo informações da mídia local.

O presidente lamentou as vítimas do acidente com o avião que levava a delegação da equipe de futebol da Chapecoense, a qual disputaria a final da Copa Sul-Americana em Medellín.

Até o momento, a causa mais provável do acidente seria a falta de combustível. As autoridades bolivianas retiraram a licença da LaMia e suspenderam as autoridades do setor aeronáutico enquanto as causas do acidente são investigadas.

RC/efe

Leia mais