Moradores de Potsdam protestam contra racismo | Notícias internacionais e análises | DW | 21.04.2006

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Moradores de Potsdam protestam contra racismo

Merkel distancia-se de ministro que minimizou ataque racista e vinculou causas da xenofobia com isolamento da ex-Alemanha Oriental.

Solidariedade com a vítima em Potsdam

Solidariedade com a vítima em Potsdam

Milhares de pessoas saíram às ruas de Potsdam nesta sexta-feira (21/04), para protestar contra o racismo, a violência e a xenofobia. Na madrugada do último domingo, a cidade situada no Leste da Alemanha foi palco do espancamento brutal de um alemão de origem etíope.

A vítima continua hospitalizada em estado crítico. O Tribunal Federal em Karlsruhe decretou a prisão preventiva de dois alemães suspeitos de autoria do crime, que eles negam ter cometido.

O prefeito de Potsdam, Jann Jakobs, disse durante a manifestação de solidariedade à vítima, que é preciso emitir um sinal contra o ódio e a violência. "Na avaliação das possíveis causas do crime, todos devem se perguntar o que está acontecendo de errado", acrescentou.

Enquanto isso, a chanceler federal alemã Angela Merkel distanciou-se das declarações feitas ontem pelo ministro do Interior, Wolfgang Schäuble, que minimizou o ataque racista de Potsdam. O porta-voz da Chanceleria Federal, Ulrich Wilhelm, atribuiu a xenofobia e a violência à alta taxa de desemprego juvenil e à falta de perspectiva para os jovens.

Schäuble dissera que também pessoas "louras de olhos azuis" se tornam vítimas de atos de violência na Alemanha e que as causas da xenofobia no Leste alemão estariam ligadas ao passado da região (a ex-Alemanha Oriental).

Leia mais