Ministros do G8 anunciam maior combate ao crime organizado | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 30.05.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Ministros do G8 anunciam maior combate ao crime organizado

Ministros dos países do G8, reunidos em Roma, anunciam combate mais acirrado ao crime organizado, ao terrorismo e à pirataria. Conduta italiana frente a imigrantes ilegais foi tema polêmico no encontro.

default

Ministros do G8 na Itália: migração e criminalidade na pauta do dia

Numa declaração final divulgada neste sábado (30/05), os ministros do Interior e Justiça do G8 (sete países mais ricos do mundo e Rússia) se comprometeram a combater de forma mais eficaz e conjunta as atividades de organizações criminosas internacionais.

A estratégia do governo italiano de confiscar bens e capital da máfia e reinvestir esses valores no combate à mesma deverá ser ampliado para outros países do G8, afirmaram os ministros. Segundo as autoridades italianas, o país confiscou no último ano cerca de 4,3 bilhões de euros de estruturas mafiosas no país, um montante três vezes maior que o reunido em 2007.

Destino dos ex-prisioneiros de Guantánamo

Italien Innenminister Roberto Maroni

Roberto Maroni, ministro italiano do Interior

No encontro realizado por dois dias em Roma, que contou também com a participação do comissário de justiça da UE, Jacques Barrot, e de representates da Interpol e do escritório para drogas e criminalidade das Nações Unidas, os ministros dos países do G8 reafirmaram seus propósitos de combater o terrorismo. Isso deve se dar, contudo, em procedimentos que respeitem "os direitos humanos, o direito de asilo e o Direito europeu", consta da declaração divulgada em Roma.

O ministro italiano do Interior, Roberto Maroni, defendeu uma solução europeia comum para a questão dos ex-prisioneiros de Guantánamo. A Itália, segundo ele, deverá aceitar no máximo três ex-prisioneiros. O assunto deverá ser retomado num encontro de ministros agendado para a próxima semana, a ser realizado em Luxemburgo.

Governo italiano: acusado de xenofobia

Flüchtlinge aus Libyen

Triagem de imigrantes na Líbia vai contra Convenção de Genebra, dizem representantes da ONU

O fluxo de imigrantes ilegais e o tráfico humano foram também assuntos altamente discutidos pelos ministros do G8 em Roma, aventados principalmente pelos representantes dos países europeus mediterrâneos. Em 2008, chegaram à costa italiana 36.500 refugiados; em 2009 já foram mais de seis mil, citou Maroni.

O ministro italiano defendeu a política para refugiados do governo conservador do premiê Silvio Berlusconi, acusado internacionalmente de xenofobia. As Nações Unidas afirmam que a estratégia de Roma de deportar africanos ainda em alto mar, antes que esses ao menos pisem em solo italiano – e, desta forma, nem tenham a oportunidade de requerer asilo no país – vai contra a Convenção de Genebra para Refugiados. "A Espanha já deportou 10 mil desta forma e aqui estão se irritando porque deportamos 500", disse Maroni.

Para aqueles que teriam o direito de requerer asilo, explicou o comissário Barrot, o mecanismo de deportá-los a partir de um abrigo para imigrantes situado na Líbia é "insuficiente e inadequado". Desde que o governo italiano, em parceria com o govern líbio, iniciou um processo de triagem de refugiados em Trípoli, o número de imigrantes que chegam à Itália diminuiu, salientou o ministro italiano.

Um grupo de manifestantes foi às ruas de Roma neste sábado protestar contra o encontro do G8. Os críticos da globalização carregavam faixas com os dizeres "quem silencia se torna cúmplice" ou "somos todos imigrantes ilegais". A conduta da UE em relação aos refugiados deverá ser tema do encontro de cúpula do bloco, a ser realizado ainda em junho.

Controle do Facebook

Symbolbild Piraterie: Einsatz der Marine an Bord eines Frachters im Golf von Aden

Pirataria na costa africana: medidas mais drásticas

O combate à pirataria na costa africana foi também discutido pelos ministros em Roma. O secretário-geral da Interpol, Ronald Noble, afirmou que o problema não pode ser visto como uma questão apenas militar, mas deverá ser combatido como crime organizado.

Noble sugeriu ainda a criação de um banco de dados de suspostos piratas. "Precisamos reunir as informações sobre os envolvidos, a fim de saber mais sobre outros suspeitos e seus procedimentos", disse ele.

Em relação ao combate à criminalidade na internet, os ministros reunidos na Itália aprovaram a criação de uma "lista negra" de sites suspeitos nos diversos países do G8. Em cooperação com as Nações Unidas e com a Interpol, deverá ser feito um controle mais acirrado de redes como o Facebook em relação a suspeitas de crime organizado, pedofilia, pornografia infantil e terrorismo.

SV/dpa/ap

Revisão: Carlos Albuquerque

Leia mais