Ministro da Saúde tem alta após dois dias internado | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 01.11.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

Ministro da Saúde tem alta após dois dias internado

Diagnosticado com covid-19, Eduardo Pazuello havia sido hospitalizado com desidratação. Segundo o Ministério da Saúde, ele "está bem e já recuperado do quadro".

Eduardo Pazuello, de máscara preta

"Ministro será monitorado por sua equipe médica das Forças Armadas até a total recuperação da covid-19", disse ministério.

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, recebeu alta hospitalar às 11h30 deste domingo (01/10), em Brasília. Diagnosticado com covid-19 no último dia 21, ele havia sido internado na sexta-feira em um hospital particular com desidratação.

Em nota, o Ministério da Saúde informou que o ministro "está bem e já recuperado do quadro de desidratação".

"O ministro será monitorado pela sua equipe médica das Forças Armadas até a total recuperação da covid-19", acrescentou o ministério.

Segundo o Ministério da Saúde, após receber alta de um hospital particular, em Brasília, Pazuello seguiu para o Hospital das Forças Armadas "para análise da equipe médica que o acompanha desde o início do tratamento para covid-19".

"O estado de saúde do ministro é estável. O procedimento é regulamentar para o tratamento que teve início em unidade de saúde militar", acrescentou o ministério.

Apesar da orientação de isolamento, em 22 de outubro, dia seguinte ao diagnóstico para o novo coronavírus – Pazuello apareceu ao lado do presidente Jair Bolsonaro em uma transmissão ao vivo em rede social. No vídeo, os dois estavam sem máscara.

Tratamento com hidroxicloroquina

O ministro disse durante a transmissão que estaria tomando hidroxicloroquina e azitromicina contra a covid-19. A eficácia de ambos os medicamentos no tratamento contra o coronavírus não tem comprovação científica.

Pazuello está no cargo desde maio, primeiro como ministro interino e depois efetivo, tendo substituído o médico Nelson Teich, que ficou menos de um mês no posto.

Sem experiência na área de gestão da saúde pública, Pazuello logo se tornou um facilitador das vontades de Bolsonaro no ministério, mesmo quando as ordens se chocavam com o consenso científico. Ele editou protocolos para a expansão do uso da hidroxicloroquina e chegou a tentar esconder os números da pandemia.

MD/ebc/ots