Ministro alemão da Saúde quer baixar preços de remédios | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 11.03.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Ministro alemão da Saúde quer baixar preços de remédios

O ministro Philipp Rösler quer pressionar a indústria farmacêutica a negociar com seguradoras de saúde públicas, para que preços de remédios fiquem mais baixos. Oposição classifica ideia como ingênua.

default

Rösler quer forçar negociações com seguradoras

O ministro alemão da Saúde, Philipp Rösler, quer pressionar a indústria farmacêutica para que haja redução dos preços de medicamentos no país.

Uma de suas propostas visa influir na relação entre a indústria farmacêutica e as seguradoras de saúde públicas. Atualmente, os produtores de medicamentos têm a liberdade para dar seus próprios preços para as medicações novas no mercado alemão.

Rösler também quer que o efeito do medicamento seja comprovado antes da entrada no mercado. "Quando o produtor levar seus produtos ao mercado, terá que provar cientificamente as vantagens para os pacientes. O que será fiscalizado de forma acurada. Assim podemos reconhecer se já existem drogas similares no mercado", afirmou o ministro.

Ele pretende forçar, além disso, uma redução de preços, através de descontos compulsórios e congelamento de preços. O ministro espera, com as medidas, economizar aos caixas públicos cerca de 2 bilhões de euros.

Mercado lucrativo para indústria

O sistema alemão é particularmente lucrativo para a indústria. "Os medicamentos são muito caros na Alemanha", afirmou Rösler. "Por isso, queremos obrigar as empresas farmacêuticas a negociar contratos com as seguradoras de saúde", declarou. As seguradoras de saúde públicas alemãs gastam anualmente 30 bilhões de euros em remédios, um quinto do seu orçamento.

O especialista em saúde da bancada dos democrata-cristãos no parlamento alemão, Jens Spahn, elogiou a ideia. Segundo ele, as empresas farmacêuticas devem no futuro comprovar se seus medicamentos novos representam uma melhoria que justifique um preço mais alto.

Comércio de tapetes

A oposição, entretanto, acusa Rösler de ingenuidade. "A indústria farmacêutica vai chegar às negociações com preços nos quais os descontos já estão previstos", afirmou Karl Lauterbach, especialista em saúde da bancada social-democrata no parlamento alemão.

Lauterbach acha que medidas serão inócuas. "É como no comércio de tapetes. Se quero 100% do preço, subo o preço 20%, para depois poder dar o desconto", comparou.

MD/epd/ap
Revisão: Augusto Valente

Leia mais