1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Horst Seehofer
Seehofer: "Controle deve ser mantido enquanto UE não estiver em posição de proteger suas fronteiras externas"Foto: Imago/Sven Simon/F. Hoermann

Ministro alemão coloca tratado de Schengen em xeque

18 de março de 2018

Horst Seehofer afirma que Alemanha pode continuar a impor controle em suas fronteiras além do prazo anunciado no ano passado.

https://p.dw.com/p/2uYYw

O ministro do Interior da Alemanha, Horst Seehofer, levantou a possibilidade de o país suspender o tratado de Schengen – que garante a livre-circulação de pessoas entre os país da União Europeia (UE) – por tempo indeterminado para intensificar o controle em suas fronteiras.

"O controle de nossas fronteiras deve ser mantido enquanto a UE não estiver em posição de proteger suas fronteiras externas", disse. "Eu não vejo (a UE) conseguir fazer isso num futuro próximo", completou. As declarações foram concedidas em entrevista à edição deste domingo (18/03) do jornal Welt am Sonntag.

Em novembro, diante de episódios de atentados terroristas e fluxo contínuo de refugiados, seis países signatários do tratado decidiram reintroduzir controles em suas fronteiras. Entre eles estão a Alemanha, a Áustria, a Suécia, a França, a Noruega e a Dinamarca. A previsão é que os controles durem até maio deste ano, mas as declarações de Seehofer sinalizam que o caso alemão possa ultrapassar a data limite de 12 de maio, pressionando ainda mais as bases do tratado.

Segundo a Comissão Europeia, esse tipo de medida deve permanecer uma exceção e respeitar o princípio de proporcionalidade. A Comissão, no entanto, não tem poder para vetar qualquer decisão dos seus membros de se reintroduzir controles em suas fronteiras.

Polêmicas

Seehofer é presidente da União Social Cristã (CSU) da Baviera, partido irmão da União Democrata Cristã (CDU), da chanceler federal Angela Merkel. Ele assumiu o posto de ministro em 14 de março. Desde então tem feito declarações que vêm causando desconforto ao governo. Na semana passada, disse, por exemplo, que "o islã não pertence à Alemanha". 

"Os muçulmanos que vivem entre nós são, naturalmente, parte da Alemanha. Mas claro que isso não significa que nós, por falsa consideração, devemos abrir mão de nossas tradições e costumes", disse.

Em reação às declarações de Seehofer, Merkel afirmou que a Alemanha é fortemente marcada sobretudo pelo cristianismo e pelo judaísmo, mas que hoje milhões de muçulmanos vivem no país e praticam sua religião. "Esses muçulmanos também pertencem à Alemanha, e, do mesmo modo, sua religião também pertence a Alemanha, ou seja, o islã", disse Merkel. "Precisamos fazer de tudo para promover uma boa convivência entre as religiões."

JPS/ots

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Pular a seção Mais sobre este assunto
Pular a seção Conteúdo relacionado

Conteúdo relacionado