Ministra compara métodos de Bush com os de Hitler | Notícias internacionais e análises | DW | 19.09.2002

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Ministra compara métodos de Bush com os de Hitler

Conflito com o Iraque esquentou ainda mais a campanha eleitoral alemã. Oposição exigiu a demissão da ministra da Justiça, por ter comparado os métodos do presidente Bush com os de Hitler.

Herta Däubler-Gmelin (direita): Hitler já usou o método de desviar atenção de problemas internos

Herta Däubler-Gmelin (direita): Hitler já usou o método de desviar atenção de problemas internos

A dois dias da eleição do novo Parlamento alemão, que vai decidir sobre o destino da coalizão de governo, a ministra da Justiça, Herta Däubler-Gmelin, está sendo bombardeada de críticas por causa de uma comparação da política do presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, com os métodos do ditador nazista Adolf Hitler. A ministra social-democrata desmentiu notícia equivalente do jornal Schwäbisches Tagblatt. "Eu não disse isso", garantiu ela. Mas o autor da matéria mantém sua versão e os partidos de oposição democrata-cristã e liberal exigiram sua demissão antes da eleição de domingo (22).

Numa conversa com 30 sindicalistas metalúrgicos, no estado de Baden-Württemberg, a ministra teria dito que, com uma guerra contra o Iraque, Bush quer principalmente desviar as atenções dos problemas da política interna americana. Ela teria dito também: "Isto é um método usual. Hitler também já fez isso". Gmelin esclareceu, mais tarde, que não fez "comparação entre um presidente eleito democraticamente, como o dos EUA, e o grande ditador nazista Hitler".

Resistência oficial

O governo alemão confirmou sua resistência firme a um ataque contra o Iraque, pouco antes de Bush pedir a aprovação do Congresso americano e depois de o secretário da Defesa americana, Donald Rumsfeld, ter aconselhado o presidente Saddam Hussein a se exilar. Assim o ditador iraquiano evitaria uma guerra, segundo Rumsfeld. O tema Iraque dominou a campanha eleitoral alemã, ao lado do desemprego, e na reta final persiste a questão de como a política externa alemã pode contribuir para evitar uma guerra.

O ministro alemão das Relações Exteriores, Joschka Fischer, acha que a guerra pode ser evitada, se for mesmo séria a oferta do Iraque de permitir o retorno dos inspetores de armas da ONU para fiscalizar seu arsenal. Saddam Hussein não pode perder tempo, se quiser evitar uma tragédia, aconselhou o político do Partido Verde. O presidente do Parlamento alemão, Wolfgang Thierse, também condenou o uso da violência para derrubar o ditador iraquiano. O social-democrata questionou a inteligência de uma política externa que propague mudanças de regime em outros países por meio da violência militar.

Perigos

A posição de Thierse gerou indignação da oposição democrata-cristã. CDU e CSU acusam o governo de Gerhard Schröder de isolar a Alemanha com a sua resistência categórica a uma ação militar internacional contra o Iraque. O concorrente de Schröder na disputa pela reeleição, Edmund Stoiber, prometeu que, se for eleito, a Alemanha vai apoiar um ataque contra o Iraque, mediante um mandato da ONU, e dentro das possibilidades. Mas soldados alemães não seriam enviados para o Iraque.

Schröder, ao contrário, foi categórico: "No meu governo a Alemanha não participará de uma guerra contra o Iraque". Isso romperia a coalizão internacional na luta antiterror, que ainda não está ganha, elevaria os preços do petróleo e teria conseqüências graves para a conjuntura internacional já em baixa. Aumentaria, portanto, a ameaça de recessão mundial.

Leia mais