Mesmo sem tudo pronto, Polônia e Ucrânia estão otimistas para a Eurocopa | Siga a cobertura dos principais eventos esportivos mundiais | DW | 26.03.2012
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Esporte

Mesmo sem tudo pronto, Polônia e Ucrânia estão otimistas para a Eurocopa

Dois meses antes do início da Eurocopa, os preparativos nos dois países ainda estão um pouco caóticos. Apesar disso, Polônia e Ucrânia estão otimistas e esperam uma grande festa, afinal, muito dinheiro foi investido.

Na inauguração do novo Estádio Nacional de Varsóvia, foram os imprevistos que chamaram a atenção. Dezenas de jornalistas da imprensa internacional foram chamados para cobrir o evento e ficaram horas esperando pela credencial. As informações eram imprecisas.

Este é apenas um incidente de uma série que aconteceu no estádio onde será a abertura da Euro 2012, no próximo dia 8 de junho. O imenso estádio oval em vermelho e branco foi inaugurado com oito meses de atraso.

Primeiro, a polícia negou a liberação, alegando problemas com a segurança. Isso causou a renúncia do diretor do Centro Nacional de Esportes e obrigou o primeiro-ministro polonês, Donald Tusk, a abrir uma investigações sobre as acusações de desperdício de dinheiro público.

Cerimônia inauguração do novo Estádio Nacional de Varsóvia

Cerimônia inauguração do novo Estádio Nacional de Varsóvia

Explosão de custos em Kiev

O estádio de Varsóvia foi relativamente barato: 350 milhões de euros. A reforma do Estádio Olímpico em Kiev, capital ucraniana, onde acontecerá a final da Eurocopa em 1º de julho, custou 585 milhões de euros. Isso levou o campeão mundial de boxe e político ucraniano Vitali Klitschko a perguntar: "Por que custa muito menos construir um estádio na Alemanha do que na Ucrânia?".

O jornalista Mark Rachkev, do Kyiv Post, tem a resposta: "A aquisição dos materiais de construção foi muito estranha, dinheiro desapareceu, papéis alfandegários foram forjados", comentou de maneira objetiva. "O governo sempre se defende, dizendo que isso aconteceu porque tudo teve de ser feito muito rapidamente, e que a UEFA poderia transferir o campeonato para outra cidade".

Michel Platini alertou: O campeonato é em 2012, não em 2030

Michel Platini alertou: "O campeonato é em 2012, não em 2030"

Esse era um perigo real. Há 18 meses, Michel Platini, presidente da UEFA, advertiu que poderia tirar o campeonato. "Não existem aeroportos, há poucos os hotéis. Assim fica tudo difícil," disse Platini.

O francês, que se elegeu graças aos votos do Leste Europeu e, três meses depois de ser eleito, em 2007, determinou que a Euro 2012 seria na Polônia e na Ucrânia, fez um ultimato em 2010: "O campeonato é em 2012, não em 2030".

O estádio está pronto, mas não as estradas

Muito aconteceu desde que Platini fez a ameaça: os oito estádios estão prontos, novas rodovias foram construídas, ferrovias expandidas e aeroportos foram construídos. Os dois países prometeram imensos projetos de infraestrutura e atualmente muitos deles foram realizados. Entretanto, algumas estradas na Polônia não ficarão prontas a tempo, nem o segundo aeroporto de Varsóvia.

"A Polônia é o local onde mais se constrói na Europa", disse Michal Piotrowski, porta-voz da PL.2012, empresa estatal de infraestrutura. Ele pediu mais compreensão quanto à posição da Polônia. O país investiu 20 bilhões de euros em infraestrutura para a Eurocopa. Piotrowski disse que o investimento fará sentido a longo prazo: "Tudo o que foi construído para o campeonato será utilizado depois".

Barisovic espera que sua loja seja beneficiada com a Eurocopa

Barisovic espera que sua loja seja beneficiada com a Eurocopa

Muitas coisas também aconteceram na Ucrânia, de acordo com o vendedor de souvenir Sergei Barisovic, de Lviv: "Muito foi feito na cidade. Muitas estradas ainda eram do tempo do czar Pedro, o Grande, e estavam em péssimas condições".

O time alemão irá jogar duas partidas no estádio de Lviv (contra Portugal e Dinamarca). O estádio fica fora da cidade, e quem vem de lá para o centro da cidade ainda verá muitas estradas apenas com paralelepípedos.

Barisovic espera que a Eurocopa traga benefícios para a sua pequena loja de suvenires, mas ele é cético: "Eu temo que apenas a elite terá vantagens do torneio e não as pessoas comuns".

Muita esperança nos dois países

O prefeito de Lviv, Andrei Sadavoy, não concorda. Ele espera que o campeonato traga progresso. "É nosso sonho construir uma cidade em que valha a pena viver", diz. "Lviv será o coração da Eurocopa". Ele lembra que poloneses e ucranianos têm uma história em comum nesta cidade multicultural, o que pode ser um fator de união entre os dois países.

Autor: Joscha Weber (kr)
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais