Merkel trata de pandas e comércio com presidente chinês | Notícias internacionais e análises | DW | 05.07.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Merkel trata de pandas e comércio com presidente chinês

Às vésperas de reunião do G20, chanceler federal alemã recebe Xi Jinping em Berlim. Líderes defendem aprofundamento das relações bilaterais e busca de resultado positivo em encontro das maiores economias do mundo.

Xi Jinping e Merkel em zoológico de Berlim

Xi e Merkel visitaram visitaram zoológico de Berlim para recepcionar pandas recém-chegados da China

O presidente da China, Xi Jinping, foi recebido com honras militares em Berlim nesta quarta-feira (05/07) para uma breve, porém importante visita. A visita ocorre às vésperas da cúpula do G20 a ser realizada nesta sexta e sábado em Hamburgo, onde Merkel disse esperar difíceis negociações.

A chanceler federal da Alemanha, Angela Merkel, considerou o encontro com o colega chinês uma "boa oportunidade" para ampliar as relações entre ambos os países.

Leia mais: O que os países esperam da cúpula do G20 

"O senhor é bem-vindo aqui nessa época de turbulências no mundo", disse Merkel ao líder chinês, num momento em que temas como a ameaça nuclear imposta pela Coreia do Norte poderão jogar uma sombra sobre encontro dos chefes de Estado e de governo das 20 maiores economias do mundo. A chanceler disse que China e Alemanha podem contribuir para "criar um mundo mais estável".

Diplomacia dos pandas

A agenda de Xi em Berlim incluiu uma visita dos dois líderes ao zoológico de Berlim para ver os ursos pandas Meng Meng e Jiao Qing, que chegaram da China há poucos dias. "Estou convencido de que esses dois pandas poderão se tornar novos embaixadores da nossa amizade", disse o presidente chinês.

Merkel e Xi se comprometeram a trabalhar em conjunto para superar divisões que emergiram recentemente na atual ordem mundial e tentar buscar um resultado positivo em Hamburgo.

"Espero que possamos superar as desavenças, ainda que eu não saiba como será o resultado final", afirmou Merkel. Xi, por sua vez, disse à chanceler que irá apoiar a Alemanha na busca de um desfecho positivo para a cúpula do G20.

Merkel e Xi Jinping em Berlim

Merkel e Xi se comprometeram a trabalhar juntos na cúpula do G20 para superar divisões

Nova fase de cooperação

Após o encontro com o líder chinês, Merkel ressaltou que algumas das possibilidades de aprofundamento da cooperação entre os dois países seriam a luta internacional contra o terrorismo e iniciativas conjuntas na África e no Afeganistão.

Xi, por sua vez, afirmou esperar que a relação entre os dois países entre numa uma nova fase, voltada ao aprofundamento da parceria bilateral, o que incluiria colaborações em áreas de alta tecnologia, como o setor aeroespacial.

Merkel defendeu a abertura mútua dos mercados e a assinatura de um tratado de investimentos que poderá no futuro levar a um acordo de livre-comércio entre Alemanha e China. Berlim quer igualdade de tratamento no setor de negócios e no acesso ao mercado chinês, o que, segundo a chanceler, é fundamental para as empresas alemãs.

Motivos de preocupação

Merkel expressou preocupação com o tratamento dado por Pequim a empresas alemãs e os esforços do governo chinês para trabalhar individualmente com países europeus, de modo a viabilizar seus interesses econômicos. Merkel afirmou ainda que discutiu o tema sociedade civil com Xi e que precisa continuar havendo um diálogo sobre direitos humanos no país. 

Projetos multibilionários chineses de infraestrutura e desenvolvimento, que se estendem pela Ásia, Europa e África, também são motivo de preocupação no continente europeu.

Pequim diz que almeja compartilhar crescimento e desenvolvimento e colaborar mais estreitamente com a União Europeia (UE) em "projetos concretos". As autoridades europeias, entretanto, demonstram preocupação com a obediência às regras de mercado e padrões internacionais por parte da China.

Merkel, porém, disse a Xi que a Alemanha vê com bons olhos essa iniciativa e gostaria de participar de tais projetos, "na esperança de que haja processos transparentes de licitação".

RC/dpa/dw

Leia mais