Merkel: Não há ″garantia eterna″ de estreita cooperação EUA-UE | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 13.01.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

União Europeia

Merkel: Não há "garantia eterna" de estreita cooperação EUA-UE

Chanceler federal alemã afirma que é ingênuo acreditar que outros sempre resolverão os problemas na vizinhança da União Europeia e pede mais solidariedade dentro do bloco.

Angela Merkel

Merkel recebeu o título de doutora honoris causa pelas universidade de Genta e Lovaina

Diante da insegurança em relação ao compromisso do presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, com a cooperação transatlântica, a chanceler federal alemã, Angela Merkel, afirmou que a União Europeia (UE) deve intensificar sua capacidade de ação e assumir mais responsabilidades no âmbito internacional. Merkel disse nesta quinta-feira (12/01), em Bruxelas, que não há garantias eternas de estreita colaboração dos Estados Unidos com a Europa. "Por isso estou convencida de que Europa e União Europeia terão que aprender a assumir mais responsabilidade no âmbito mundial." 

Considerando a quantidade de conflitos e a pobreza em torno da Europa, seria "ingenuidade" pensar que o que acontece nas vizinhanças da UE não têm impacto direto sobre a vida na Europa. "E, da mesma forma, seria ingênuo pensar que outros sempre resolverão os problemas à nossa volta", advertiu Merkel em seu discurso de agradecimento por receber o título conjunto de doutora honoris causa das universidades belgas de Gante e Lovaina. Ela foi homenageada pelo seu engajamento em prol da integração europeia.

"A Europa está diante dos maiores desafios das últimas décadas", disse, referindo-se, por exemplo, ao conflito na Ucrânia. Ao mesmo tempo, ela disse que a saída do Reino Unido da União Europeia aumenta a importância da solidariedade entre os demais países do bloco.

Merkel, que busca a reeleição ainda este ano, enfrentou críticas na Europa devido a sua política de acolhimento a refugiados. Ela disse também nesta quinta-feira que a Europa precisa acelerar seus esforços para implementar um sistema de registro de entrada e saída e assim controlar melhor as fronteiras do bloco.

RW/rtr/afp

Leia mais