Merkel exalta militares que tentaram matar Hitler há 75 anos | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 20.07.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Alemanha

Merkel exalta militares que tentaram matar Hitler há 75 anos

Segundo chanceler, conspiradores provaram ser "patriotas” ao desafiar ditador em 1944. "Eles ainda nos incentivam a sermos vigilantes e a enfrentar duramente o extremismo de direita e o racismo em todas as suas facetas.”

Merkel e a ministra alemã da Defesa, Annegret Kramp-Karrenbauer, durante homenagem aos conspiradores de julho de 1944

Merkel e a ministra alemã da Defesa, Annegret Kramp-Karrenbauer, durante homenagem aos conspiradores de julho de 1944

A chanceler federal da Alemanha, Angela Merkel, prestou neste sábado (20/07) homenagem ao coronel Claus von Stauffenberg e aos militares alemães que tentaram assassinar o ditador Adolf Hitler há 75 anos. Diante de 400 novos recrutas da Bundeswehr (as Forças Armadas da Alemanha), Merkel disse em discurso que "a desobediência” à autoridade também pode ser uma forma de patriotismo em determinados momentos.

"Seguindo sua consciência, eles provaram ser verdadeiros patriotas", disse Merkel em uma cerimônia militar em Berlim. "Eles nos incentivam a sermos vigilantes e a enfrentar duramente o extremismo de direita, o antissemitismo e o racismo em todas as suas facetas. (...) Existem momentos em que desobediência pode ser o cumprimento do dever. E nesses momentos, o indivíduo tem o dever moral de contradizer e resistir”, completou.

Stauffenberg e outros oficiais, como Henning von Tresckow e Erwin von Witzleben, tentaram matar Hitler no quartel-general conhecido como  "Toca de Lobo", na antiga Prússia Oriental, hoje dentro das fronteiras da Polônia moderna.

Claus von Stauffenberg / Foto um 1934 (picture-alliance/akg-images)

O conde Von Stauffenberg, que plantou uma bomba para matar Hitler acabou sendo fuzilado

Mas a bomba que Stauffenberg  escondeu em uma mala deixada na sala na qual o ditador nazista participava de uma conferência não alcançou seu objetivo. O ditador teve apenas alguns ferimentos. No mesmo dia, fracassou uma tentativa de golpe para remover os nazistas do poder que ficou conhecida pelo nome "Operação Valquíria".

O coronel e seus co-conspiradores acabaram sendo executados um a um nos dias e semanas que se seguiram. 

Após seu discurso, Merkel colocou uma coroa de flores no local onde Stauffenberg e vários membros da conspiração foram fuzilados.

Ambivalência alemã

O legado de Stauffenberg na Alemanha do pós-guerra desperta sentimentos mistos na Alemanha. Alguns o vêem como um herói do movimento de resistência antinazista, mas há também quem o enxergue como um oportunista que só se voltou contra o ditador nazista quando a derrota da Alemanha passou a ser inevitável.

O historiador Wolfgang Benz disse ao jornal Augsburger Allgemeine que é importante que os alemães se recordem do movimento de resistência mais amplo ao nazismo, e não apenas dos oficiais militares envolvidos no complô de 20 de julho.

"Os conservadores sempre se concentraram na resistência militar, mas ela chegou muito tarde [na guerra]", disse ele.

JPS/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | App | Instagram | Newsletter

Leia mais