Merkel diz que convocar novas eleições seria erro | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 25.11.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Merkel diz que convocar novas eleições seria erro

Em convenção da CDU, chanceler federal alemã afirma que é necessário formar um novo governo "rapidamente". Schulz aceita participar de diálogo, mas ressalta que não haverá "automatismo" em nenhuma direção.

default

Merkel participou de convenção da CDU no estado de Mecklemburgo-Pomerânia Ocidental

A chanceler federal alemã, Angela Merkel, descartou neste sábado (25/11) a realização de novas eleições como uma solução ao impasse político no país, que após dois meses das eleições, ainda não conseguiu formar um governo de maioria no Parlamento.

Leia mais: Por que o impasse alemão não é uma crise

"Eu não estou absolutamente convencida de que, se não podemos fazer nada acerca do resultado [das eleições], que deveríamos pedir às pessoas que votem novamente", afirmou a líder da União Democrata Cristã (CDU) numa convenção do partido no estado de Mecklemburgo-Pomerânia Ocidental. "Eu considero isso totalmente errado", acrescentou.

Assistir ao vídeo 01:05

Steinmeier: "É uma situação que nunca ocorreu na história da Alemanha"

Merkel reiterou que os políticos alemães têm a responsabilidade de encontrar uma solução. "A Europa precisa de uma Alemanha forte. É desejável que se forme um novo governo rapidamente", disse.

A política alemã está mergulhada num impasse desde o fracasso das negociações para a formação da chamada "coalizão Jamaica" entre os conservadores da União CDU/CSU (União Democrata Cristã/União Social Cristã), chefiada por Angela Merkel; o Partido Liberal Democrático (FDP, na sigla em alemão); e o Partido Verde.

Em Berlim, muito se discute sobre um possível governo minoritário, em que a CDU de Merkel, mais a CSU e ou o Partido Verde ou o FDP, ficariam sempre dependendo dos votos da oposição, de caso para caso. Merkel, no entanto, chegou a afirmar, no início da semana, que preferiria novas eleições à formação de um governo de minoria.

Schulz aceita diálogo

O presidente da Alemanha, Frank-Walter Steinmeier, se reuniu nesta semana com líderes dos partidos para pôr uma solução à crise.

Saarbrücken Juso Bundeskongress Martin Schulz

Martin Schulz diz que diálogo com Merkel não implica em "automatismo" em nenhuma direção

Nesta sexta-feira (24/11), o líder social-democrata alemão, Martin Schulz, aceitou o chamado de Steinmeier para dialogar com Merkel por "responsabilidade" com a Alemanha e a Europa, e assegurou que, no caso de participar de um novo governo, submeterá as decisões ao voto das bases do partido.

Schulz ressaltou que a aceitação do diálogo não implica num "automatismo" em nenhuma direção. Na próxima semana, Merkel e Schulz irão se reunir com Steinmeier e o presidente da CSU, Horst Seehofer.

Desde o resultado das eleições, realizadas em 24 de setembro, Schulz havia rejeitado a possibilidade de formar uma nova grande coalizão com os conservadores e tinha defendido que o partido devia "regenerar-se" na oposição, razão pela qual era partidário da convocação de novas eleições.

Depois da conversa com Steinmeier, Schulz garantiu que o SPD "certamente" irá atuar com responsabilidade e, em nenhum caso, o partido irá praticar "obstrução parlamentar", caso passe à oposição.

Neste sábado, o líder do Partido Verde, Cem Özdemir, disse que a legenda vai continuar a contribuir e "assumir as suas responsabilidades" para a formação do novo governo.

KG/dpa/rtr/afp/efe

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados