Merkel apoia Sarkozy na criação de imposto sobre transação financeira | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 09.01.2012
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Merkel apoia Sarkozy na criação de imposto sobre transação financeira

Em encontro preparatório para a cúpula da União Europeia no fim de janeiro, Angela Merkel se disse favorável à cobrança de taxa sobre transação financeira. Ideia é defendida pelo governo Sarkozy como saída para a crise.

default

Merkel e Sarkozy em coletiva de imprensa após reunião

Em seu primeiro encontro de 2012, Angela Merkel, chefe do governo alemão, e Nicolas Sarkozy, presidente da França, se ocuparam do assunto que dominou a agenda oficial do ano passado: a crise do euro.

Os dois líderes se reuniram nesta segunda-feira (09/01) em Berlim para preparar o encontro de cúpula dos chefes dos 27 Estados da União Europeia (UE), marcada para o fim do mês. "Não existe futuro para a Europa caso França e Alemanha não estejam de acordo", salientou Sarkozy ao falar da importância do encontro. 

Segundo Merkel, as negociações sobre uma união fiscal correm bem, e há boas chances de que o acordo que visa frear o endividamento dos países europeus seja assinado ainda em janeiro. O pacote deve impor mais disciplina orçamentária aos membros da UE, conforme discutido no último encontro de cúpula, em dezembro.

Ainda sobre a crise, a chanceler federal alemã afirmou que pretende acelerar o aumento de capital do chamado Mecanismo Europeu de Estabilidade (ESM, na sigla em inglês). A Alemanha deve contribuir com 22 bilhões de euros, dos 80 bilhões previstos.

O caso Grécia

Sobre o centro da crise do bloco, Merkel cobrou que o governo em Atenas aja mais rápido para contornar a dívida pública, caso contrário os parceiros europeus não irão transferir a próxima parcela de ajuda financeira aos gregos, ameaçou. "Mas queremos que a Grécia permaneça na zona do euro", completou Merkel, pontuando que a Grécia é "um caso isolado".

O país deve receber no próximo final de semana uma nova visita de inspeção de representantes da União Europeia e do Fundo Monetário Internacional (FMI). Eles irão checar o progresso das reformas em Atenas. Enquanto isso, a moeda comum europeia segue sob pressão. Na madrugada desta segunda-feira, a moeda atingiu o menor patamar desde setembro de 2010 – um dólar valia 1,2666 euro. 

Novo imposto

A introdução do imposto sobre transações financeiras, bastante defendido pela França, continua um assunto controverso entre os membros da UE. Nesta segunda-feira, a líder alemã disse concordar com Sarkozy e que, se necessário, a taxa poderia ser cobrada na zona do euro caso os demais países da UE resistam à medida. Embora Merkel tenha se pronunciado favorável, o governo alemão ainda encontra resistência interna. A líder insistiu: "Iremos continuar lutando por isso."

Na última sexta-feira, Sarkozy mostrou-se convencido de que a ferramenta ajudaria a região a sair da crise, e de que estaria disposto a adotar a cobrança mesmo que seja apenas na França. "Não vamos esperar pelos outros para colocar a medida em prática, nós o faremos porque acreditamos nela", disse o francês depois de uma conversa com Mario Monti, primeiro-ministro da Itália.

Para que a taxa passe a vigorar na União Europeia, no entanto, é necessária a concordância de todos os membros. O Reino Unido se opõe fortemente à medida: David Cameron, primeiro-ministro inglês, prometeu bloquear qualquer tentativa do bloco de introduzir a cobrança em toda a UE, alegando que a prosperidade da Europa seria prejudicada.  Londres, uma das capitais do mundo financeiro, teme perder a atratividade com a cobrança da taxa.

A cobrança incidiria sobre produtos financeiros, ou seja, ações, divisas e papéis especulativos. A intenção é limitar a ação dos especuladores e fazer com que as instituições financeiras também arquem com os custos da crise.

Prosperidade e emprego

O crescimento econômico, a criação de empregos e aumento da competitividade europeia também são temas considerados prioritários por Sarkozy e Merkel. Segundo os líderes, a Europa deveria comparar o mercado de trabalho de diferentes países e absorver as melhores práticas. Prestes a concorrer pelo segundo mandato presidencial, Sarkozy tenta reverter o alto nível de desemprego na França.

O tema deve acompanhar a chanceler federal alemã ao longo da semana: na terça-feira, Merkel se reúne com Christine Lagarde, chefe do FMI. Na próxima quarta, será a vez de Mario Monti ir até Berlim.

NP/dpa/rts/afp/dpad
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais