Merkel anuncia novas restrições em grandes cidades contra covid-19 | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 09.10.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coronavírus

Merkel anuncia novas restrições em grandes cidades contra covid-19

Após reunião com governantes de 11 grandes centros urbanos alemães, chanceler anuncia série de medidas a serem tomadas caso o crescimento de infecções por coronavírus não dê sinais de recuo.

Angela Merkel

Merkel manifestou preocupação com o avanço da pandemia nos centros urbanos

A chanceler federal alemã, Angela Merkel, afirmou nesta sexta-feira (09/10) que devem ser impostas novas restrições em cidades na Alemanha que superarem os 50 casos por 100 mil habitantes em um período de sete dias, como já ocorreu em Berlim, Frankfurt e Bremen.

O anúncio foi realizado após uma reunião de Merkel com governantes das 11 maiores cidades do país, que são atualmente consideradas os principais focos de propagação do coronavírus nos últimos dias.

As regras incluem ampliação da obrigatoriedade do uso de máscaras, assim como a introdução de horário para fechamento de restaurantes e bares e restrições à venda de álcool – como as que já vigoram em Berlim e Frankfurt –, se as autoridades locais considerarem necessário. Eles concordaram que limites mais rígidos para reuniões públicas e privadas também devem ser considerados.

Devido ao aumento do número de casos, grandes cidades alemãs, como Berlim e Frankfurt, impuseram a redução dos horários de funcionamento de restaurantes e cafés e outras restrições a contatos sociais.

Em Berlim, a partir de sábado e pelo menos até 31 de outubro, todos os estabelecimentos comerciais têm de encerrar entre as 23h e as 6h.

Merkel disse estar ciente de que essas novas restrições "vão doer", especialmente para o setor gastronômico em dificuldades. No entanto, alertou que o número de casos poderia acelerar ainda mais se as autoridades não forem mais capazes de acompanhar as cadeias de rastreamento de infecção.

Ela ressaltou que "novas restrições serão inevitáveis" caso a tendência de aumento de casos não for paralisada dentro de 10 dias.

"Próximos dias serão cruciais"

"Serão os próximos dias e semanas que vão decidir a posição da Alemanha face a esta pandemia neste inverno", disse a chefe de governo numa conferência de imprensa, insistindo na importância de regras de higiene, do uso de máscara e do distanciamento social. 

Segundo Merkel, este é o "momento decisivo" para controlar a pandemia, antes que a situação saia de controle nas próximas semanas e meses. "Todos vemos que as grandes cidades, os ambientes urbanos, são os locais onde veremos se conseguimos ter a pandemia sob controle na Alemanha, como conseguimos durante meses, ou se perdemos o controle", disse.

"Sabemos, graças às medidas já tomadas, que é necessária uma dezena de dias para saber se a incidência baixa", prosseguiu.

"O nosso objetivo deve ser manter as infecções numa única zona, onde cada infeção pode ser seguida, onde as pessoas podem ser avisadas e onde é possível voltar a quebrar as cadeias de contágio", ressaltou Merkel.

Segundo números desta sexta-feira, a Alemanha registrou nas últimas 24 horas 4.516 novos casos, o número mais alto desde meados de abril, depois dos 4.058 anunciados na quinta-feira. Os dados dos dias anteriores oscilavam entre os 2 mil e 2,8 mil novos casos diários. 

Desde o início da pandemia, o país diagnosticou 314.660 casos de infeção pelo coronavírus e 9.589 mortes associadas à covid-19.

MD/lusa/afp/ap/dpa/rtr