Merkel admite ″erro″ ao lidar com caso Böhmermann | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 22.04.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Merkel admite "erro" ao lidar com caso Böhmermann

Chanceler federal se retrata por chamar de "propositadamente ofensivo" o poema satírico do humorista alemão sobre presidente turco. "Foi um erro", diz Merkel, que defende, porém, as investigações contra Böhmermann.

Na véspera de embarcar para a Turquia, a chanceler federal alemã, Angela Merkel, admitiu nesta sexta-feira (22/04) "erros" ao lidar com o caso do humorista alemão Jan Böhmermann, acusado de injúria pelo presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, após um poema satírico lido na TV alemã.

O texto de Böhmermann, exibido em março em seu programa na emissora ZDF, usa termos chulos para se referir a Erdogan e faz uma série de acusações. Atendendo a pedidos do governo turco, Merkel autorizou a investigação do humorista pelo crime de ofensa a chefes de Estado estrangeiros.

A atitude da chanceler fez com que ela fosse acusada de ter colocado em segundo plano a liberdade de expressão e de imprensa na Alemanha, apenas para não desagradar o governo em Ancara, parte essencial no plano europeu para resolver a crise de refugiados.

Em Berlim nesta sexta-feira, a chefe de governo alemã defendeu a sua decisão de autorizar que os promotores alemães iniciem a investigação, alegando que considera uma reação "justa" a um poema que acusa um presidente de pedofilia e bestialidade, usando termos de baixo calão.

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, acusa o comediante alemão Jan Böhmermann (d) de injúria

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, acusa o comediante alemão Jan Böhmermann (d) de injúria

Por outro lado, Merkel disse lamentar a declaração feita por seu porta-voz, Steffen Seibert, durante as primeiras reações oficiais do governo sobre o caso, de que ela considerava o texto de Böhmermann como "propositadamente ofensivo".

"Isso foi, em retrospectiva, um erro", declarou a chanceler, acrescentando que o comentário pode ter dado a impressão de que "sua avaliação pessoal pesou" na hora de permitir a investigação.

Merkel reafirmou a importância da liberdade de expressão, dizendo que é isso que "me guia em todas as negociações". Ela declarou ainda que "nunca abandonaria" tais ideais só porque fechou alianças com a Turquia – "isso é inadequado", disse a chanceler.

A chefe de governo, que recentemente fez um acordo com Ancara para regular o fluxo de migrantes, chega à Turquia neste sábado. No mesmo dia, está agendada uma reunião com o primeiro-ministro, Ahmet Davutoglu, e uma visita a um campo de refugiados.

Caso Böhmermann

Em 31 de março, o humorista alemão de 35 anos recitou um poema sobre o presidente turco contendo referências sexuais explícitas, além de acusações de que Erdogan reprime minorias e maltrata curdos e cristãos. O uso de nome chulos, como "fodedor de cabras", chocou Ancara.

Antes de ler o poema, Böhmermann mencionou uma canção satírica transmitida anteriormente pela emissora alemã NDR e que também zomba de Erdogan.

Trata-se de uma paródia da música Irgendwie, Irgendwo, Irgendwann, sucesso da cantora Nena, com o título Erdowie, Erdowo, Erdogan. A paródia afirma que, na Turquia, jornalistas que publicam algo de que o presidente não gosta logo vão para a cadeia.

A queixa contra Böhmermann tem base no parágrafo 103 do Código Penal alemão, que prevê o crime de injúria a "órgão ou representante de Estado estrangeiro", com pena máxima de cinco anos. A lei determina que o governo precisa autorizar a investigação antes que ela se inicie.

Na ocasião, Merkel ressaltou que sua decisão não significa "de forma alguma" um pré-julgamento do humorista, mas "simplesmente" que a análise legal está sendo repassada à Justiça e que não cabe ao governo, mas a promotores e tribunais, dar a última palavra sobre o caso.

EK/afp/ap/dpa/rtr

Leia mais