Membro do COI é detido no Rio por venda ilegal de ingressos | Rio 2016 | DW | 17.08.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Rio 2016

Membro do COI é detido no Rio por venda ilegal de ingressos

Patrick Hickey, que preside o Comitê da Irlanda e também os Comitês Olímpicos Europeus, é detido em hotel na Barra da Tijuca. Dois outros acusados de envolvimento no esquema já estão presos, e há mandados contra quatro.

Policiais civis prenderam nesta quarta-feira (17/08), no Rio de Janeiro, o irlandês Patrick Joseph Hickey, de 71 anos, presidente do Comitê Olímpico da Irlanda e membro do Comitê Olímpico Internacional (COI), por suspeita de envolvimento num esquema internacional de venda ilegal de ingressos.

Os agentes cumpriram um mandado de prisão expedido pela Justiça fluminense, além de um mandado de busca e apreensão, num hotel no bairro Barra da Tijuca. Hickey teria tentado fugir quando os policiais chegaram ao seu quarto. Detido, foi levado para um hospital.

Hickey é suspeito de cambismo, ou venda de ingressos acima do preço impresso nos bilhetes. Ele teria participado de um esquema com mais seis pessoas. Ex-lutador de judô, o irlandês foi membro do Comitê de Coordenação dos Jogos Rio 2016, responsável por acompanhar o planejamento e a organização do evento.

Hickey faz parte do comitê executivo do COI desde 2012 e é presidente tanto do Comitê Olímpico da Irlanda como dos Comitês Olímpicos Europeus, associação que reúne todos os comitês olímpicos da Europa.

Em suas investigações contra a venda ilegal de ingressos na Rio 2016, a Polícia Civil já havia prendido em flagrante o diretor da empresa britânica THG, Kevin Mallon, e uma funcionária da empresa, Bárbara Carnieri, no dia 5 de agosto.

Nesta semana, a Justiça decretou as prisões de outros quatro diretores da THG, que é especializada no comércio de ingressos em grandes eventos esportivos: David Patrick Gilmore, Marcus Paul Bruce Evans, Maarten Van Os e Martin Studd. Como eles estão fora do país, o mandado de prisão foi comunicado à Polícia Federal e à Interpol.

AS/abr/ap/dpa/rtr

Leia mais