Massacre no Mali deixa pelo menos 95 mortos | Notícias internacionais e análises | DW | 10.06.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Massacre no Mali deixa pelo menos 95 mortos

Casas foram queimadas e animais abatidos. Nenhum grupo assume a autoria do ataque. País africano é abalado por conflitos étnicos e disputas internas. Violência é acirrada pela presença de extremistas islâmicos.

Vulto de homem em primeiro plano com rebanho de bois ao fundo, na margem de um rio

Região central do Mali é afetada há anos por conflitos entre etnias rivais

Pelo menos 95 pessoas morreram nesta segunda-feira (10/06) durante um ataque armado contra um vilarejo do grupo étnico dogon, no Mali. Casas foram queimadas ainda com moradores dentro delas e animais foram abatidos.

Não houve reivindicação imediata de responsabilidade pelo massacre, embora a tensão étnica seja alta desde março, quando uma milícia dogon foi acusada de realizar um grande massacre numa aldeia da etnia fulani.

Youssouf Toloba, que lidera a milícia dogon conhecida como Dan Na Ambassagou, negou que seus combatentes sejam responsáveis pelo massacre de março, que matou pelo menos 157 pessoas. Gestantes, crianças e idosos estavam entre as vítimas.. Alguns líderes fulanis, no entanto, prometeram realizar ataques de represália.

Amadou Sangho, porta-voz do Ministério da Segurança Interior, disse que 19 pessoas estavam desaparecidas depois que a aldeia dogon de Sobane foi atacada por volta das 3h desta segunda-feira. A aldeia fica em Sangha, considerado bastião da milícia dogon, acusada pelo ataque de março.

Anos de violência causada por diversos conflitos internos no Mali deixaram cerca de 60 mil refugiados e deslocados no país africano, onde 3,2 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária, segundo o Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA).

Os conflitos têm sido agravados pela presença de extremistas islâmicos, que se mudaram para o sul, vindos de suas fortalezas no norte árido. Os fulanis são acusados ​​de colaborar com os jihadistas da Organização do Estado Islâmico do Grande Saara em ataques contra aldeias dogon visando impedir que os moradores cultivem suas terras.

Os fulanis, por sua vez, acusam os dogons de colaborarem com militares de Mali, embora não haja sinais conclusivos de suporte do Estado.

A ONG Human Rights Watch disse que a milícia Dan Na Ambassagou esteve envolvida em dezenas de ataques mortais ao longo do ano passado e o presidente do Mali prometeu combatê-la.

Os fulanis são tradicionalmente criadores de gado, em longa rivalidade com o grupo étnico dogon, que se concentra na caça.

A instabilidade que afeta o Mali começou com o golpe de Estado de 2012, quando grupos tuaregues rebeldes, junto a organizações jihadistas, tomaram o controle do norte do país durante dez meses. Os jihadistas foram teoricamente expulsos em 2013, graças a uma intervenção militar internacional liderada pela França, mas extensas áreas do país, sobretudo do norte e do centro, escapam do controle estatal.

O Mali também se transformou numa área perigosa para os soldados das Nações Unidas, uma vez que 119 capacetes azuis da ONU morreram e outros 397 ficaram feridos em ataques de grupos violentos desde 2013.

MD/ap/afp/efe

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais