Massacre faz mais de 200 mortos em Homs, afirma oposição síria | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 04.02.2012
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Massacre faz mais de 200 mortos em Homs, afirma oposição síria

Ataque mata mais de 200 em Homs, diz oposição. Veto de Rússia e China bloqueia resolução contra regime Assad no Conselho de Segurança da ONU. Tunísia expulsa embaixador da Síria como resposta à violência no país.

default

Tanques de guerra em Homs: vários prédios destruídos

Mais de 200 pessoas foram mortas num ataque das forças de segurança sírias na cidade de Homs, segundo relatos de ativistas dos direitos humanos sírios e comitês de coordenação da oposição no exterior. As vítimas eram quase todas civis. Ativistas chegaram a falar em 260 mortos.

A ofensiva começou no distrito de Chaldijeh, há onze meses um dos principais focos do movimento de protesto contra o presidente Bashar al Assad. Nos ataques, iniciados na noite de sexta-feira, as tropas do governo usaram metralhadoras e tanques de guerra.

Sergej Lawrow Außenminister Russland

Ministro russo do Exterior, Serguei Lavrov

"Os bombardeios pararam hoje de manhã, e os moradores saíram de suas casas para procurar mortos e feridos no meio dos escombros", afirmou neste sábado (04/02) o ativista Hadi Abdullah, do Comitê Geral da Revolução Síria, em entrevista por telefone à agência AFP a partir de Homs. Segundo ele, muitos edifícios ficaram totalmente destruídos e os hospitais não têm meios suficientes para tratar o grande número de feridos.

As emissoras árabes Al Arabiya e Al Jazeera mostraram imagens de numerosos corpos no chão. As informações, entretanto, não foram confirmadas por veículos independentes, devido às dificuldades impostas à imprensa pelo regime em Damasco.

O governo sírio negou envolvimento no massacre em Horms, atribuindo-o a rebeldes, que estariam tentando influenciar a votação no Conselho de Segurança da ONU. O presidente dos EUA, Barack Obama, classificou-o como um "ataque inqualificável" e exigiu que o presidente Assad se afaste do poder. "Assad tem que interromper agora sua campanha de assassinatos e crimes contra seu próprio povo", apelou o líder norte-americano, através de um comunicado.

Veto a resolução contra regime sírio

Rússia e China usaram seu poder de veto para impedir no Conselho de Segurança da ONU uma resolução contra a Síria apresentada há uma semana pelo Marrocos, com apoio de Estados árabes e europeus.

Pouco antes da votação, a Rússia criticara uma condenação à Síria e ameaçara fazer, mais uma vez, uso de seu poder de veto no Conselho de Segurança, a fim de evitar qualquer crítica ao regime Assad. A Rússia mantém uma aliança estreita com Damasco que inclui venda de armamentos ao governo sírio.

O projeto de resolução atual seguia, essencialmente, um plano da Liga Árabe, exigindo o fim imediato da violência, reforma política e uma renúncia parcial ao poder pelo presidente Bashar al Assad. Durante duras negociações, os defensores da resolução, incluindo a Alemanha, fizeram concessões em favor da Rússia, retirando do documento itens como a condenação ao comércio de armas, a convocação de eleições livres e a renúncia de Assad.

Visita russa a Damasco

Syrien Gewalt Demonstration gegen Russland Putin

Sírios protestam contra apoio russo ao regime Assad

O ministro russo do Exterior, Serguei Lavrov, deve viajar a Damasco na próxima terça-feira para conversar com Bashar al Assad. De acordo com agências de notícias russas, o anúncio foi feito pelo próprio ministro durante a Conferência de Segurança de Munique. Ele viajará a pedido do presidente russo, Dimitri Medvedev, e será acompanhado pelo chefe do Serviço de Inteligência Estrangeiro da Rússia, Mikhail Fradkov.

O presidente do parlamento da Liga Árabe, Ali Salem al-Diqbassi, pediu aos Estados-membros da aliança para cortarem relações com a Síria e expulsarem embaixadores sírios a favor do regime de Damasco, afirmando que o governo do presidente Bashar al Assad continua a matar manifestantes.

A Tunísia disse que não reconhecia mais o regime de presidente Assad e decidiu expulsar o embaixador sírio em Túnis, justificando a medida com o “sangrento massacre” em Homs. "A Tunísia considera que esta tragédia não vai acabar, a menos que o regime de Bashar al Assad renuncie ao poder a fim de preparar o caminho para uma transição democrática que garanta a segurança do povo irmão da Síria", afirmou o governo, através de comunicado.

MD/afp/dpa/rtr/ap
Revisão: Augusto Valente

Leia mais