1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Manifestantes bloqueiam avenidas e queimam barricadas, gerando congestionamentos na capital paulista
Manifestantes bloqueiam avenidas e queimam barricadas, gerando congestionamentos na capital paulistaFoto: Reuters/P. Whitaker

Manifestantes pró-Dilma bloqueiam vias em São Paulo

30 de agosto de 2016

Protestos contra o impeachment da presidente afastada geram caos na capital paulista, impedindo o trânsito em algumas das principais vias da cidade. Também há atos em ao menos nove estados brasileiros.

https://www.dw.com/pt-br/manifestantes-pr%C3%B3-dilma-bloqueiam-vias-em-s%C3%A3o-paulo/a-19513100

Manifestantes contrários ao impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff realizam nesta terca-feira (30/08) diversos protestos em São Paulo, bloqueando algumas das principais avenidas da cidade.

A Marginal Tiêtê, uma das principais artérias do trânsito da capital paulista, ficou completamente bloqueada, provocando longos congestionamentos. Uma grande quantidade de pneus foi incendiada, impedindo a passagem dos veículos.

Algumas das avenidas bloqueadas pelos manifestantes pró-Dilma foram a Marginal Pinheiros, a Prof. Francisco Morato e a Vital Brasil, além da Avenida Paulista, onde a Polícia Militar interviu com bombas de gás lacrimogêneo contra um grupo que ocupava os dois sentidos da via, queimando latões de lixo e garrafas.

De acordo com o portal de notícias G1, ocorreram protestos contra o impeachment em ao menos nove estados: Alagoas, Amazonas, Bahia, Ceará, Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte, Rio de Janeiro, São Paulo, além do Distrito Federal.

Manifestantes ateiam fogo a pneus em avenida de São Paulo
Manifestantes ateiam fogo a pneus em avenida de São PauloFoto: Reuters/P. Whitaker

Em Brasília, centenas de pessoas participaram de uma passeata de apoio a Dilma organizada por movimentos sociais e sindicatos. Além de defenderem a presidente afastada, os manifestantes não pouparam críticas ao governo do presidente interino Michel Temer.

RC/abr/lusa