Manifestantes pedem renúncia de ministro alemão acusado de plágio | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 26.02.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Manifestantes pedem renúncia de ministro alemão acusado de plágio

Protegido pela chefe de governo, cada vez mais visado pela oposição e pela classe científica, ministro alemão da Defesa Zu Guttenberg ainda se aferra ao cargo. Manifestantes em Berlim exigem sua renúncia imediata.

default

'Falta citação', diz o cartaz diante do Ministério da Defesa

Na tarde deste sábado (26/02), em Berlim, centenas de pessoas se reuniram em protesto pela conduta do ministro alemão da Defesa, Karl-Theodor zu Guttenberg, diante das acusações de plágio em sua tese de doutorado.

Os manifestantes se dirigiram da praça Potsdamer Platz até o Ministério da Defesa, exigindo, entre outras consequências, a renúncia imediata do ministro. Segundo a polícia da capital alemã, a passeata foi anunciada como "Protesto pelo comportamento desonroso do ministro da Defesa, da chanceler federal e das bancadas do governo no parlamento".

A Universidade de Bayreuth cassou recentemente o título de doutor summa cum laude de Zu Guttenberg, alegando que este teria deixado de indicar diversas fontes em sua tese. Apesar disso e das acusações de plágio que ainda pairam sobre sua reputação, o político social-cristão (CSU) se aferra ao cargo de ministro, no que conta com o apoio expresso da chanceler federal alemã, Angela Merkel.

"Não nomeei um assistente científico"

Dossierbild Guttenberg Doktorarbeit Plagiat Bild 2

Karl-Theodor zu Guttenberg responde ao assédio da imprensa

Na última segunda-feira, a chefe de governo declarara que Zu Guttenberg continuava merecendo "sua inteira confiança" e que ela não via qualquer impedimento para que continuasse exercendo seu cargo.

"Não o nomeei como assistente científico", pontificou a também chefe da União Democrata Cristã (CDU), acrescentando que a função do ex-doutor é de ministro da Defesa, a qual "preenche de forma excelente, e para mim é isto que conta".

Diante do Bundestag (câmara baixa do parlamento) Zu Guttenberg admitiu ter cometido "erros graves". O líder da bancada parlamentar da CDU/CSU Volker Kauder deu-se por satisfeito com a admissão, comentando que o fato do político saber reconhecer seus erros seria "um sinal de força".

"Ministro por demanda"

Mas a oposição não perdoa o mau passo. O presidente da bancada social-democrata (SPD), Sigmar Gabriel, questionou a futura capacidade do ministro de agir independentemente.

"O senhor Zu Guttenberg é agora ministro 'por demanda', ministro da mercê de Merkel. No gabinete, ele vai depender da misericórdia da chanceler e do ministro das Finanças, quando quiser algo em nome das Forças Armadas." Assim, prosseguiu Gabriel em entrevista ao jornal Bild , Zu Guttenberg teria se tornado um risco para a classe militar do país.

Para A Esquerda, é hora de Merkel interferir no caso Guttenberg. Como este "ao que tudo indica, não possui nem noção do que é certo ou errado, nem honra, nem consciência, a chanceler tem que agir e, exonerando-o do cargo, evitar danos à nação", instou Dietmar Bartsch, vice-líder da bancada esquerdista no Bundestag.

No pelourinho da ciência

Guttenberg Demonstration Plagiatsaffäre

'A mentira tem gel no cabelo' e 'Toda democracia precisa de alguém que minta assim descaradamente'

Entre a comunidade científica do país, cresce a indignação em torno do caso. O professor de Direito da Universidade de Bayreuth Oliver Lepsius, sucessor do orientador de Zu Guttenberg, considera este "um impostor". "É um atrevimento sem igual a forma como ele ludibriou pessoas honradas da universidade", declarou ao jornal Süddeutsche Zeitung . Lepsius não aceita a alegação do ministro de que teria agido sem malícia, e o acusa de haver perdido "a noção de realidade".

A Associação Alemã de Pesquisa (DFG) disse condenar a cópia de textos alheios sem citação de fonte numa tese de doutorado. O ex-presidente da associação Ernst-Ludwig Winnacker declarou à revista Der Spiegel que, do ponto de vista acadêmico, o ministro será "para sempre um alvo de críticas".

Por sua vez, o atual presidente da DFG, Matthias Kleiner, lembrou que a propriedade intelectual é tão valiosa quanto a material, e que o plágio não é um delito trivial. A Confederação das Escolas Superiores Alemãs classificou como deplorável o fato de altos representantes políticos alemães minimizarem uma má conduta científica das mais graves.

AV/dpa/ap
Revisão: Alexandre Schossler

Leia mais