MAN completa 250 anos de existência | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 19.10.2008
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

MAN completa 250 anos de existência

Cerca da metade dos navios do mundo navega com motores da MAN, que já sobreviveu a muitas guerras e crises. Hoje, a empresa que começou com uma pequena oficina siderúrgica conta com 55 mil empregados em todo o mundo.

default

Logotipo da empresa na sede em Munique

A fabricante de máquinas e veículos utilitários MAN completa 250 anos de existência em 2008. Com isso, ela é uma das mais antigas empresas da Europa, tendo sobrevivido a crises e a guerras através de uma oferta variada e sempre aberta a inovações. A história da MAN – abreviatura de Maschinenfabrik Augsburg-Nürnberg – começou com uma pequena siderúrgica no Vale do Ruhr. Hoje, a empresa com sede em Munique coordena 55 mil empregados no mundo todo.

O principal acionário da MAN é hoje a Volkswagen, que detém 29,9% do controle da empresa, estando o resto em propriedade dispersa. Mas, quando foi criada na cidade de Oberhausen, os primeiros produtos ainda eram apenas panelas de cozinha e frigideiras. "Estamos orgulhosos de ser uma das mais antigas indústrias da Europa. Imagine que, no começo, éramos uma oficina artesanal com oito ou dez funcionários. Passaram-se algumas décadas até a empresa se tornar realmente grande", conta o assessor de imprensa Andreas Lampersbach.

IAA Messe Nutzfahrzeuge in Hannover MAN

Veículos de carga são ramo central da empresa

A siderúrgica que deu origem à atual empresa ainda levava o nome de Gutehoffnungshütte (GHH). Foi só após a Primeira Guerra Mundial que o então presidente da empresa, Paul Reusch, adquiriu diversos fabricantes de máquinas industriais, obtendo também a maioria sobre a MAN, que havia sido criada em 1840 através da fusão de duas fabricantes das cidades bávaras de Augsburg e Nurembergue, vindo daí seu nome atual.

Influente, mas resistente ao nazismo

Através do conglomerado supra-regional que montara na década de 1920, Paul Reusch se tornou um dos mais influentes industriais da época, conta o historiador Johannes Bähr. "Na República de Weimar, ele era um dos principais líderes da indústria pesada, que eram radicalmente contra a democracia e abertamente a favor da remilitarização", diz.

Mas, apesar de favorecer um Estado autoritário e por mais que seu conglomerado industrial lucrasse enormemente com a militarização, Reusch não se acertou com os nazistas.

BdT MAN Jubiläum

Moderno motor MAN V8 (à frente, à direita) e primeiro motor a diesel de 1893 (ao fundo)

"O caso da MAN no Terceiro Reich é muito interessante, pois nos força a abandonar aquele pensamente estereotipado que se costuma ter neste contexto. O NSDAP [Partido Nacional Socialista Alemão dos Trabalhadores, o partido nazista] procurava obter influência nas empresas e isso era algo que Reusch não aceitava. Ele não se tornou membro do partido e ainda se distanciou do regime."

Em 1942, os nazistas fizeram com que Reusch perdesse seu cargo à frente do conglomerado. Já com 65 anos de idade, o suábio, amargurado, se retirou a sua casa de campo nas proximidades de Stuttgart. Terminada a guerra, o conglomerado foi desmantelado.

"O caso mostra também como se faz a história econômica. A empresa tentou resistir veementemente, mas dez anos mais tarde, quando a crise do carvão assolou o Vale do Ruhr, a GHH praticamente não foi afetada, pelo contrário, lucrava com o aumento da produção de veículos de carga em Munique", explica Bähr.

Um quarto de milênio

A venda de veículos de carga permanece até hoje o principal ramo da MAN, tendo gerado uma receita de 10 bilhões de euros só no ano passado. Mas a MAN também fabrica turbinas, compressores e motores para aviões e navios.

MAN Schiffs-Dieselmotor

Funcionário trabalha em motor de navio

"Aproximadamente a metade dos navios que navegam os mares do mundo são equipados com um motor da MAN, de cargueiros com até 14 mil contâineres a navios de cruzeiros", conta Lampersbach. "O Queen Elizabeth II, por exemplo, possui um motor da MAN com potência de até 110.000 cavalos, 35 metros de comprimento e 17 metros de altura."

Para uma empresa que vive da venda de motores a diesel, turbinas e veículos utilitários, o alto preço do petróleo é certamente um desafio. Mas o porta-voz do consórcio, Wieland Schmitz, mantém-se otimista, acreditando que uma empresa tradicional como a MAN continuará lucrando.

"Claro que o preço do combustível nos afeta. Mas, por outro lado, temos uma grande demanda de países do Oriente Médio e da Rússia, onde a economia cresce justamente por causa do petróleo – se isso servirá de compensação ainda não podemos dizer."

A antiga pequena siderúrgica de Oberhausen hoje opera em praticamente todos os importantes mercados do mundo e, através de diversas fusões, aquisições e mudanças na oferta, conseguiu se manter por um quarto de milênio – um fato singular, já que a maioria das empresas alemãs sobrevive em média apenas 20 anos.

Leia mais