Mais um petroleiro retido rumo à Coreia do Norte | Notícias internacionais e análises | DW | 31.12.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Mais um petroleiro retido rumo à Coreia do Norte

Coreia do Sul retém navio suspeito de transferir produtos petrolíferos para o regime comunista, o que seria uma violação das sanções internacionais. É a segunda apreensão anunciada em poucos dias.

O Lighthouse Winmore, detido em novembro pelas autoridades sul-coreanas

O "Lighthouse Winmore", detido em novembro pelas autoridades sul-coreanas

A Coreia do Sul deteve um navio de bandeira do Panamá suspeito de transferir produtos petrolíferos para a Coreia do Norte, o que seria uma violação das sanções internacionais ao regime comunista, segundo informaram autoridades locais neste domingo (31/12).

A apreensão teria acontecido na semana passada e é a segunda em poucos dias a ser anunciada por Seul, no momento em que a ONU amplia os esforços para reduzir a oferta de petróleo para a Coreia do Norte, uma retaliação ao progresso de seu programa nuclear e de mísseis.

O navio foi retido no porto de Pyeongtaek-Dangjin, na costa oeste, ao sul de Incheon. Ele pode levar 5.100 toneladas de petróleo e tem tripulação principalmente da China e de Myanmar.

Na sexta-feira, a Coreia do Sul anunciou o confisco de um navio chinês que transferiu petróleo a uma embarcação norte-coreana nas águas do Mar da China Oriental, uma troca que também viola as resoluções da ONU sobre Pyongyang.

As autoridades alfandegárias sul-coreanas detiveram a embarcação Lighthouse Winmore, que viajava com a bandeira de Hong Kong, em 24 de novembro, quando atracou no porto de Yeosu, depois de transferir 600 toneladas de petróleo refinado a um navio da Coreia do Norte  em 19 de outubro.

O navio chinês foi contratado pela empresa taiuanesa Billions Bunker e tinha visitado previamente tal porto no dia 11 de outubro para carregar petróleo refinado japonês e se dirigir supostamente a Taiwan quatro dias depois. Em vez de ir a Taiwan, o navio transferiu o petróleo a um barco norte-coreano, o Sam Jong 2, e três navios de outros países em águas internacionais do Mar da China Oriental.

"Muito desapontado que a China esteja permitindo que petróleo vá para a Coreia do Norte. Nunca vai haver uma solução amigável para o problema da Coreia do Norte se isso continuar a acontecer", escreveu o presidente americano, Donald Trump, no Twitter na ocasião. 

O governo Trump vem liderando uma iniciativa para intensificar sanções globais contra Pyongyang, que vem avançando para desenvolver mísseis com ogivas nucleares capazes de atingir os EUA.   

Segundo as autoridades, a Coreia do Sul compartilhou informações de inteligência com os Estados Unidos para detectar a transação ilegal, e o barco chinês ficará confiscado por seis meses.

A ONU endureceu na semana passada suas sanções contra o regime de Pyongyang, limitando ainda mais seu acesso a produtos petroleiros, vetando suas exportações em vários setores e forçando o retorno ao país de cidadãos que trabalham fora.

A China, principal parceiro comercial da Coreia do Norte, nega ter feito qualquer venda de petróleo ao regime de Pyongyang que viole as sanções das Nações Unidas e afirmou que está investigando a suposta transação ilegal. 

--------------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Leia mais