Mais Médicos ainda tem mais de 1,4 mil vagas não preenchidas | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 11.01.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Mais Médicos ainda tem mais de 1,4 mil vagas não preenchidas

Depois de duas rodadas para tentar substituir cubanos, 17% das vagas continuam desocupadas, a maioria em municípios pobres e afastados. Postos devem agora ser abertos a brasileiros formados no exterior.

Aviso em posto de saúde em São Paulo anuncia falta de médico após saída de cubanos

Fim do programa Mais Médicos deixou muitas comunidades desassistidas

O Ministério da Saúde divulgou nesta sexta-feira (11/01) que 1.462 vagas do programa Mais Médicos ainda não foram preenchidas. Desse total, 842 não tiveram interessados, e para as demais 620 os inscritos não compareceram aos respectivos municípios.

As vagas não preenchidas equivalem a 17% das 8.517 vagas abertas no programa após a saída dos médicos cubanos do país. O balanço foi divulgado após o encerramento do prazo para profissionais selecionados na segunda rodada de inscrição se apresentarem nas cidades.

Em 14 de novembro, Cuba anunciou o fim de sua participação no Mais Médicos por considerar injustas as condições impostas pelo presidente Jair Bolsonaro, que exigiu novas condições para a parceria, incluindo revalidação do título e contratação individual. Havana criticou ainda as "declarações ameaçadoras e depreciativas" de Bolsonaro, que durante a campanha chegou a afirmar que expulsaria os médicos cubanos do Brasil.

Após o fim da parceria, o Ministério da Saúde lançou um edital para preencher as vagas ocupadas pelos cubanos com profissionais formados no Brasil. Porém, cerca de um terço dos inscritos não se apresentou para trabalhar.

Em dezembro, uma segunda chamada com as vagas remanescente foi realizada. Desta vez, de 1.707 inscritos, 620 não compareceram ao trabalho, o que equivale a 37%.

A maioria das vagas não preenchidas está em locais considerados de maior vulnerabilidade como distritos sanitários indígenas e cidades com no mínimo 20% da população em situação de extrema pobreza.

Para tentar substituir os médicos cubanos em sua totalidade, o governo lançará em 23 janeiro um edital para atrair brasileiros formados no exterior. Se sobrarem vagas, elas serão abertas para estrangeiros.

Além da dificuldade de preencher as vagas, o Ministério da Saúde enfrenta problemas no cadastro dos novos profissionais, o que atrasou o pagamento da bolsa dos médicos recém-inscritos no programa, segundo o jornal Folha de São Paulo.

O Mais Médicos é uma iniciativa do governo da ex-presidente Dilma Rousseff, que prevê a contratação de profissionais brasileiros e estrangeiros para assistir a população brasileira em áreas remotas, isoladas e pobres.

Cuba começou a enviar profissionais ao Brasil em 2013. No ano passado, dos 18,3 mil profissionais que trabalham no programam 8,3 mil eram cubanos. Eles ocupavam vagas que não foram preenchidas por brasileiros.

Em cinco anos de programa, nenhum edital de contratação de médicos brasileiros conseguiu contratar quantidade suficiente de profissionais para as vagas abertas. O maior edital resultou na contratação de 3 mil brasileiros.

CN/efe/abr/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 

WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais