Mais de um quarto dos alemães defende posições de neodireita, diz pesquisa | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 21.11.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Mais de um quarto dos alemães defende posições de neodireita, diz pesquisa

Estudo constata que 28% dos alemães pensam que o islã está minando a sociedade, veem a existência de uma "ditadura de opinião" no país e rejeitam o "establishment" como ilegítimo e mentiroso.

Protesto do movimento anti-imigração Pegida em Dresden

Cartaz da AfD é exibido durante protesto do movimento anti-imigração Pegida em Dresden

Uma pesquisa divulgada nesta segunda-feira (21/11) pela Fundação Friedrich Ebert indica que 28% dos cidadãos da Alemanha apresentam opiniões políticas que se enquadram na definição de "neodireita".

Entre elas estão a crença em vários "mitos conspirativos", como uma suposta infiltração do islã na sociedade alemã, a existência de uma "ditadura de opinião" no país, a rejeição do "establishment" como ilegítimo e mentiroso, a defesa de um retorno a valores nacionalistas perante a União Europeia e um apelo à resistência contra a atual política do governo federal.

Segundo a pesquisa, intitulada Gespaltene Mitte (centro dividido), 84% dos apoiadores do partido anti-imigração Alternativa para a Alemanha (AfD) defendem essas posições.

Cerca de 40% do total de entrevistados disseram que a sociedade alemã está sendo minada pelo islã e 20% expressaram posições antimuçulmanas. Perto de 28% concordaram com a afirmação "os partidos no governo enganam o povo" e um percentual semelhante se queixou de que "na Alemanha, não se pode mais expressar livremente a opinião sem ter problemas", exigindo que "é hora de mostrar mais resistência à política atual."

Em contrapartida, a posição dos alemães em relação aos refugiados é mais positiva do que se pensava, de acordo com os resultados do estudo. Mais da metade dos entrevistados (56%) disse considerar "bom" a acolhida de refugiados, e outros 24% afirmaram que isso seria "em parte" bom. Somente 20% consideram a entrada de migrantes na Alemanha como algo "possivelmente" ou "definitivamente" ruim.

Divisão da sociedade

Para o levantamento, apresentado em Berlim, o Instituto de Investigação Interdisciplinar sobre Conflito e Violência (IKG), da Universidade de Bielefeld, entrevistou, de junho até agosto, 1.896 alemães entre 16 e 95 anos.

"Posições clássicas de extrema direita estão sendo cada vez mais substituídas por versões modernizadas de neodireita", afirmaram os autores da pesquisa. Segundo eles, esse ideário "neodireitista" difunde uma ideologia nacional-populista "de forma mais sutil e em trajes mais intelectualizados."

Para o pesquisador Andreas Zick, que coordenou o estudo, a palavra "divisão" descreve de forma apropriada o estado atual da sociedade alemã. Ele alertou para a crescente polarização e radicalização.

A pesquisa é realizada desde 2006, em intervalos de dois anos, sob encomenda da fundação, que é ligada ao Partido Social-Democrata (SPD) da Alemanha. O objetivo é verificar como posições de extrema direita ou hostis a alguns grupos sociais estão representadas no centro da sociedade.

CA/kna/dpa/epd

Leia mais