Maioria dos partidos fica em cima do muro no segundo turno | Eleições 2018 | DW | 12.10.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Eleições 2018

Maioria dos partidos fica em cima do muro no segundo turno

Oficialmente, 14 partidos se declaram neutros, mas alguns nomes e correntes internas se posicionam abertamente. Bolsonaro tem aval de PTB e PSC, e Haddad recebe "apoio crítico" de Ciro e, "apesar de diferenças", do PSol.

Os presidenciáveis Jair Bolsonaro e Fernando Haddad

Bolsonaro e Haddad se enfrentam no segundo turno das eleições em 28 de outubro

A maioria dos partidos anunciou neutralidade no segundo turno das eleições, preferindo não apoiar nem o capitão reformado Jair Bolsonaro (PSL) nem o petista Fernando Haddad (PT) na polarizada disputa pela Presidência da República.

Entre os partidos que ficaram – ao menos oficialmente – em cima do muro estão DC, DEM, MDB, Novo, Patriota, Podemos, PP, PPS, PR, PRB, PSD, PSDB, Rede e Solidariedade.

Até esta quinta-feira (11/10), declararam apoio ao petista PDT, PPL, PSB e PSol. Já o candidato do PSL recebeu apoio do PSC e do PTB.

Ainda que os partidos derrotados no primeiro turno tenham feito declarações sobre o segundo turno, a pesquisa do Datafolha divulgada nesta quarta-feira mostrou que a maioria dos eleitores não leva em consideração o apoio de outros candidatos. Do total de entrevistados, 72% se disseram indiferentes a um apoio expressado por Marina, 69% ao aval de Alckmin e 63%, ao de Ciro.

O PDT, terceiro colocado no primeiro turno com a candidatura de Ciro Gomes, fez ressalvas ao PT e declarou "apoio crítico” a Haddad. A decisão não representaria um gesto de aprovação do projeto de governo do petista, mas contra os "riscos" de se eleger Bolsonaro, disse o presidente nacional do partido, Carlos Lupi.

Além do "apoio crítico", a decisão de Ciro de viajar à Europa nesta quinta-feira frustrou Haddad, que esperava convencê-lo a fazer parte de sua equipe, segundo o jornal Folha de S.Paulo.

O PSol, cujo candidato, Guilherme Boulos, também foi derrotado no primeiro turno, declarou apoio a Haddad apesar de "diferenças políticas", citando o foco em "derrotar Bolsonaro".

Do lado do capitão reformado, o PTB citou o apoio às propostas de Bolsonaro para a economia, assim como a crença de que ele pode promover a "pacificação e união do povo brasileiro", como fatores determinantes para a decisão. O PSC, ligado à Assembleia de Deus, também justificou sua decisão com a defesa de bandeiras liberais na economia e conservadoras nos costumes por Bolsonaro.

Entre os que ficaram em cima do muro, o PSDB, que disputou o primeiro turno com Geraldo Alckmin, disse aos eleitores do partido para decidirem o voto "de acordo com a sua consciência” e "convicção". "Não cabe a nós, nesse segundo turno, ser a favor de um ou de outro. O eleitor é que vai escolher. Nós não nos sentimos representados por nenhum dos dois", declarou Alckmin.

O candidato do partido ao governo de São Paulo, João Dória, declarou apoio ao capitão reformado, e a esquerda do PSDB optou publicamente por Haddad, mesmo sem o respaldo público de grandes nomes.

O MDB, que concorreu com Henrique Meirelles, também declarou neutralidade, e Meirelles não se manifestou sobre seu apoio no segundo turno.

A Rede, de Marina Silva, divulgou não apoiar nenhum candidato, criticando a "corrupção sistemática" do PT. Contudo, recomendou que seus eleitores não deem "nenhum voto" a Bolsonaro devido às "ameaças imediatas e urgentes à democracia". A Rede "será oposição democrática ao governo de qualquer dos candidatos que saia vencedor do embate a que se reduziu essa eleição", diz comunicado assinado pela executiva nacional do partido.

O PP declarou que vai manter postura de "absoluta isenção e neutralidade", mas a prática é bem diferente. No Rio Grande do Sul, o partido declarou apoio a Bolsonaro, o que alguns integrantes já haviam feito no primeiro turno, apesar da posição oficial pró-Alckmin. A vice da chapa de Alckmin, Ana Amélia, também declarou apoio ao capitão no segundo turno.

Também não obstante a neutralidade declarada pelo partido, o presidente do DEM, Antônio Carlos Magalhães Neto, disse que individualmente apoiará e votará em Bolsonaro. De forma similar, o Novo se disse neutro, mas se posicionou como "absolutamente" contrário ao PT.

Cabo Daciolo, o candidato do Patriota, também declarou neutralidade e afirmou que não vai apoiar nenhum dos dois candidatos. O Podemos, de Álvaro Dias, também ficará neutro, e Dias disse que não votará no PT.

PT/ots

_____________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp |
 App | Instagram | Newsletter

Leia mais