Maioria dos brasileiros defende educação sexual e debate político na escola | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 07.01.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

Maioria dos brasileiros defende educação sexual e debate político na escola

Dos entrevistados pelo Datafolha, 71% afirmam que assuntos políticos devem ser discutidos em sala de aula, e 54% são a favor da educação sexual. Oposição é maior entre eleitores de Bolsonaro e evangélicos.

Aluno levanta a mão diante de professor

Entre pessoas com ensino superior, aprovação à discussão sobre política nas escolas chega a 83%

A maioria dos brasileiros é favorável ao debate de temas políticos e à educação sexual nas escolas, aponta uma pesquisa do Instituto Datafolha divulgada nesta segunda-feira (07/01).

A crítica à abordagem desses dois temas em sala de aula é comum entre setores conservadores da sociedade e foi uma das principais bandeiras da campanha eleitoral do presidente Jair Bolsonaro.

Desde 2004, o movimento Escola sem Partido quer proibir professores de debater política em sala de aula, argumentando que se trata de doutrinação de esquerda. Já Bolsonaro e setores conservadores da sociedade criticam o que chamam de "ideologia de gênero".

Segundo o Datafolha, que ouviu 2.077 pessoas em todo o país, 54% dos entrevistados disseram que a educação sexual deve ser tema nas escolas, e 44% se manifestaram contra.

Já 71% dos entrevistados afirmaram que assuntos políticos devem ser debatidos em sala de aula. Outros 28% disseram que não. O percentual de apoio é maior do que o de discordância em todos os recortes feitos pelo instituto: idade, renda, religião ou preferência partidária.

Dos 28% que discordam, 20% são totalmente contra, e 8%, em parte. A aprovação aumenta à medida que sobe a escolaridade. Entre pessoas com ensino superior, chega a 83%.

O mesmo vale para a educação sexual. Pessoas com nível superior são mais favoráveis a ela (63%) do que pessoas com ensino médio (54%) ou fundamental (49%).

Segundo o levantamento, a oposição à educação sexual é maior do que a aprovação em apenas dois grupos: os eleitores de Bolsonaro (54%) e os evangélicos (53%).

Especialistas afirmam que a educação sexual ajuda a combater problemas como gravidez na adolescência, transmissão de doenças sexualmente transmissíveis, violência contra a mulher e homofobia.

Tido como guru de Bolsonaro, o escritor Olavo de Carvalho declarou em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo que, "quanto mais educação sexual, mais putaria nas escolas".

AS/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 

WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais