Maioria dos alemães é a favor de medidas mais rígidas para conter o coronavírus | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 01.04.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Alemanha

Maioria dos alemães é a favor de medidas mais rígidas para conter o coronavírus

De acordo com pesquisa, 67% dos alemães apontam que os apelos dos médicos por mais restrições na vida social para conter alta de casos devem ser atendidos.

Profissional da sapude com roupa de proteção atende um paciente em um leito, Há muitas máquinas de monitoramento ao redor.

Profissionais da saúde pedem lockdown na Alemanha para evitar superlotação de hospitais

A maioria dos alemães apoia que medidas mais rígidas para combater a pandemia de covid-19 sejam adotadas nas próximas semanas. É o que mostra pesquisa do Instituto Infratest Dimap divulgada nesta quinta-feira (01/04), encomendada pela rede de televisão ARD.

De acordo com a pesquisa, mais de dois terços da população (67%) concordam que os apelos dos médicos de Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) por mais restrições devem ser atendidos. Os profissionais pedem que a vida social na Alemanha seja restrita por duas a três semanas para evitar que os hospitais fiquem sobrecarregados. Os médicos alertam que, se nada for feito, em quatro semanas as UTIs estarão lotadas. 

Quase metade da população (48%) acha que as medidas atuais para conter a pandemia não são suficientes – um aumento de 16 pontos percentuais em relação a meados de março. Cerca de 24% acreditam que as regras em vigor são suficientes e outros 24% consideram-nas muito rígidas.

Quando se trata de adoção de medidas a nível nacional, os alemães estão divididos: 49% querem uma regulamentação acordada entre governos federal e estaduais e 48% acham melhor regras específicas por região.

A grande maioria dos alemães está insatisfeita com a gestão da crise: 79% criticam as ações dos governos federal e estaduais. Em fevereiro, esse índice era de 56%.

Parte desse descontentamento se deve à lentidão da campanha de vacinação: 83% estão pouco ou nada satisfeitos com o ritmo de imunização. Até terça-feira, a Alemanha havia aplicado ao menos uma dose de vacinas em 9,44 milhões de pessoas, o equivalente a cerca de 11,37% da população

O Infratest Dimap ouviu 1.348 pessoas na segunda e terça-feira. A margem de erro é de dois a três pontos percentuais.

A Alemanha vive desde meados de março um afrouxamento do lockdown em vigor desde 16 de dezembro. 

O país registrou nesta quinta-feira 24.300 novas infecções e 201 mortes, segundo dados do Instituto Robert Koch (RKI), agência governamental para o controle e prevenção de doenças. No total, o país contabiliza mais de 2,83 milhões de casos e mais de 76 mil mortes. 

le (afp,dpa, ots)

Leia mais