Maior usina solar da Alemanha é inaugurada em Brandemburgo | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 21.08.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Maior usina solar da Alemanha é inaugurada em Brandemburgo

Mais de meio milhão de painéis solares formam a nova usina de energia renovável. País comemora também a inauguração de outra usina solar, que produz eletricidade com ajuda de espelhos.

default

Usina solar de Lieberose

Uma antiga área militar no leste da Alemanha foi transformada na maior usina solar do país: no parque de Lieberose, no estado de Brandemburgo, será gerada eletricidade numa área equivalente a 210 campos de futebol.

Até o final do ano, serão instalados ali 560 mil painéis fotovoltaicos. Apesar de a usina ainda estar em processo de finalização, a planta foi inaugurada nesta quinta-feira (20/08). Mais de 160 milhões de euros foram investidos no projeto.

A região, antigamente contaminada com restos de munição, foi preparada especialmente para receber o parque solar. O local era o maior centro de treinamento militar do exército soviético na Alemanha.

Com 700 mil coletores de energia solar, a usina de Lieberose terá capacidade de geração de 53 megawatts, eletricidade suficiente para abastecer 15 mil residências. O projeto que produzirá energia limpa deve evitar que sejam despejadas na atmosfera 35 mil toneladas de CO2.

Outro ponto de vista

Embora essa seja a segunda maior usina solar do mundo, a primeira fica na Espanha, a eletricidade produzida fica abaixo da capacidade média de uma usina termelétrica, que pode gerar até 700 megawatts.

Ambientalistas criticam que a área, de 162 hectares, pode impactar o ecossistema local. Matthias Platzeck, governador do estado, rebateu dizendo que, depois de 20 anos de exploração da usina, a área será devolvida à natureza.

Solarthermische Versuchskraftwerk Jülich

Torre de 60 metros de altura

Sol, torre e espelhos

A 700 quilômetros de Lieberose, já no estado da Renânia do Norte-Vestfália, a cidade de Jülich inaugurou também na quinta-feira (20/08) um pólo de geração de energia solar. O complexo é formado por uma torre de 60 metros de altura, tendo a sua frente 2.153 espelhos móveis. Todo o complexo ocupa oito hectares.

No solo, os espelhos seguem a radiação solar e a refletem para a torre. Ao receber toda a concentração de luz e calor por meio de receptores, a água canalizada no interior da torre é aquecida até cerca de 700ºC, se transforma em vapor e movimenta as turbinas que geram eletricidade. A energia produzida pela nova planta, cujo projeto custou 22 milhões de euros, será suficiente para abastecer 350 casas.

Segundo especialistas do DLR, centro alemão dedicado à pesquisa e ao desenvolvimento nas áreas da aeronáutica espacial, transportes e energia, o modelo servirá de referência comercial para futuras usinas no sul da Europa e no norte da África.

"Claro que em Jülich o sol não brilha tanto quanto no deserto do norte africano, mas essa é uma tentativa de unir tecnologia e desenvolvimento em conexão com a pesquisa, que acaba sendo mais importante do que a operação em si", analisa Hans Müller-Steinhagen, do DLR.

NP/dpa/afp

Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais